Fórum Portal Vídeos Guia de Episódios

Boatos e Lendas

Com uma história de mais de quarenta anos, as séries de Chespirito geraram muitas histórias para se contar. Algumas, no entanto, passam longe da realidade, sendo apenas boatos. Certos boatos acabaram esquecidos com o tempo, depois de tudo devidamente esclarecido. Outros ainda são motivo para as mais diversas especulações, enganando muita gente e às vezes, mexendo de maneira cruel com o sentimento dos fãs. Vamos ver alguns dos boatos mais famosos:

Os atores de Chaves morreram em um acidente de avião

É um dos boatos mais famosos, surgido antes mesmo da Internet se popularizar no Brasil. Em meados da década de 1990, espalhou-se a notícia de que todo o elenco de Chaves teria falecido em um acidente de avião. A história durou até o começo dos anos 2000, quando os primeiros sites CH surgiram e traziam o esclarecimento, de que nada disso tinha acontecido. Segundo o livro Chaves – Foi Sem Querer Querendo?, de Luís Joly, Fernando Thuler e Paulo Franco, o tal acidente teria ocorrido na verdade com covers de Chaves. Quem conta a história é Edgar Vivar, o Seu Barriga: “Havia um grupo que era bastante conhecido como nosso imitador no México, algo como um grupo ‘oficial’ de imitadores, entre os tantos que havia”. Dos atores de Chaves, estão falecidos: Ramón Valdés (Seu Madruga), Angelines Fernández (Dona Clotilde), Raúl “Chato” Padilla (Jaiminho) e Horácio Gómez (Godinez)

Roberto Vásquez é o criador do Quico

Esse é um dos golpes mais clássicos envolvendo Chaves no Brasil, aplicado por um homem que nada mais é que um estelionatário. Roberto Vásquez é um imitador do Quico que começou a dizer por aí que era o verdadeiro criador do menino bochechudo, tendo sido escanteado por Roberto Gómez Bolaños, que então colocou Carlos Villagrán em seu lugar. Ele surgiu pouco depois de uma turnê de Villagrán pelo Brasil, na década de 1990. Começou a fazer shows principalmente no Sul do país e logo ganhou a mídia, que comprou a ideia de que Vásquez era o criador do Quico. Ele apareceu em jornais como o Diário Gaúcho de Porto Alegre e até no programa Jogo da Vida, da Bandeirantes. No entanto, sua série de enganações durou pouco tempo mais. Com o advento da internet, os fãs sabiam que Vásquez era uma mentira. Tanto é que certa vez, em Marcelino Ramos (RS), a polícia foi acionada para deter o falsário. Hoje em dia, seu paradeiro é incerto. Sua última aparição pública foi em 2009.

Uma mansão sob o barril e outros episódios bizarros

Nos últimos dez anos, surgiram muitas histórias de supostos episódios e cenas que teriam sido exibidas por um tempo e depois arquivadas pela Televisa, ou então sequer foram gravadas, pelo conteúdo apresentado. Não raro alguém acredita nesses boatos, que jamais tiveram um pingo de verdade e no máximo, são um exercício de criatividade – apesar de enganar muita gente. São histórias como a suposta existência de uma mansão sob o barril do Chaves. O menino interpretado por Bolaños seria rico, vivendo uma luxuosa casa que ele acessa através de seu barril. Algo um tanto sem sentido e que hoje é mais uma referência de humor que se cria nas redes. Há ainda boatos de que Dona Clotilde seria a mãe do Chaves ou então que Bolaños teria escrito um episódio sombio, com muito sangue e mortes, que teria feito com que Carlos Villagrán saísse da série – e até mesmo um episódio onde o garoto do oito morreria atropelado.

Vamos lá: não existe nada sobre a Dona Clotilde ser mãe do Chaves, isso é pura invenção. Tampouco existe um episódio banido, cheio de sangue. O que circula na rede é apenas creepypasta, ou seja, uma história falsa. Já o episódio em que o Chaves morreria atropelado foi uma ideia de Chespirito, de fato, conforme revelou no Peru, em 2008. Mas uma de suas filhas fez com que ele desistisse da ideia, pois poderia traumatizar os fãs, principalmente as crianças.

Acapulco foi o último episódio de Chaves com o Quico

Boato que ainda vigora nas redes. Muita gente ainda acredita que os episódios da vizinhança em Acapulco foram os últimos que Quico gravou com Roberto Gómez Bolaños. Uma breve análise dos fatos acaba com o mito: os episódios de Acapulco foram realizados no ano de 1977 e exibidos em maio daquele mesmo ano. Como se sabe, Villagrán deixou o seriado apenas no ano de 1978. Porém, no final dessa temporada, a Televisa reprisou os episódios de Acapulco, o que os tornou os últimos de Chaves com o Quico exibidos pela TV à época. O último episódio com Villagrán é A Escolinha do Professor Girafales.

Censura, enchente e incêndio: o triste fim de episódios perdidos

Um dos boatos mais antigos envolvendo os episódios de Chaves e Chapolin, que foi esclarecido definitivamente em 2012. Por muito tempo nas décadas de 1990 e 2000, acreditava-se que diversos episódios de Chaves e Chapolin não eram mais exibidos pelo SBT por terem se perdido em inúmeros acidentes ou mesmo deterioração nos arquivos do canal. Isso vai desde incêndio, mofo, até a enchente no SBT da Vila Guilherme, em 1991. Assim, as fitas estariam inutilizadas e não poderiam ser aproveitadas para exibição na TV. Outra teoria envolve uma suposta censura a episódios, por várias razões, como a abordagem do espiritismo (em Os Espíritos Zombeteiros), ações que poderiam ser imitadas pelas crianças (Chaves lambendo ferro em Os Insetos do Chaves) e por aí vai. Nada plausível, já que vários episódios no ar tinham situações análogas que seriam passíveis de censura. No Festival SBT 30 Anos especial sobre Chaves, os fãs tiveram a resposta: os episódios perdidos foram arquivados por serem semelhantes a outros em exibição no canal. O SBT julgava não valer a pena exibir duas ou três versões de um episódio ou saga e por isso, colocou-os na gaveta. E como se viu, entre agosto de 2011 e março de 2012 o canal exibiu 66 episódios perdidos e semelhantes de Chaves. A farsa estava desmontada.

A Televisa censurou episódios do Chaves

Há no Youtube um vídeo famoso, com o título “o episódio censurado de Chaves”. É dado conta de que, pelo excesso de violência, a Televisa teria decidido censurar tal episódio. Isso é uma mentira. O episódio em questão é Os Carpinteiros, de 1973. Ele é exibido normalmente pela Televisa – inclusive, a gravação no Youtube é da própria Televisa!, do Canal de las Estrellas – e foi lançado no Brasil em DVD pela Amazonas Filmes e, em 2014, exibido dublado no SBT. Não há qualquer registro fiável de que a emissora tenha censurado episódios. Vários capítulos têm situações politicamente incorretas, ou cenas que poderiam ser imitadas com perigo por alguma criança. Mas nenhum desses episódios saiu do ar até hoje.

O Revolvinho do Chaves

A lenda mais famosa e que mais desperta curiosidade dos fãs, é hoje uma verdade. Primeiro, vamos rememorar a história: em 19 de março de 1991, um temporal desabou sobre São Paulo. O caos se instalou na cidade, devido à quantidade absurda de água, provocando inúmeros alagamentos. O SBT, então instalado na Vila Guilherme, sofreu com a invasão das águas e acabou interrompendo a programação. No horário em que seria exibido o TJ Brasil, o canal transmitiu um episódio desconhecido de Chaves, colocado no ar às pressas. Das poucas lembranças que restaram os fãs que viram aquela exibição, a imagem de um revolvinho utilizado pelo Chaves. Criou-se então a lenda do “Revolvinho do Chaves”, o episódio exibido apenas uma vez pelo canal, em uma situação completamente adversa. Bom, e esse capítulo, existe mesmo? Ninguém comprovava qualquer informação, até que em 23 de junho de 2012, o usuário Guilherme Leão, do Fórum Chaves, trouxe a informação da sinopse de um esquete do Chaves, publicada em uma revista Tele Guía. Consta lá o seguinte: o Chaves provoca pânico entre os vizinhos ao estourar seus rojões… A história, de 1972, é semelhante ao episódio Bombinhas são perigosas, ainda mais em mãos erradas, de 1976, onde há um rifle portado pelo Quico e a Chiquinha estoura bombinhas na vizinhança. Por analogia, depreende-se que este é de fato o tal episódio do revolvinho do Chaves. Agora, só o que se espera é que um dia o SBT libere esse quadro, acabando de vez com um mistério que já dura mais de 20 anos.