Fórum Portal Vídeos Guia de Episódios Sobre



Todos os horários são GMT - 3 horas


Portal Chespirito



Criar novo tópico Responder  [ 1495 mensagens ]  Ir para página Anterior  1 ... 91, 92, 93, 94, 95, 96, 97 ... 100  Próximo
  Exibir página para impressão

Re: Livros
Autor Mensagem
MensagemEnviado: 22 Jan 2020, 18:29 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 03 Fev 2009, 00:22
Mensagens: 3240
Localização: Viamão - RS
Curtiu: 216 vezes
Foi curtido: 54 vezes
Programa CH: Chapolin
Time de Futebol: Grêmio

_________________
Avatar: Bolsocorno, o rei do gado se transformou em boi para se assemelhar ao rebanho bolsonarista. Osmar Enterra na rachadinha da Micheque.

O Chapolin é um herói latino-americano lutando contra as forças imperialistas (Super Sam, Batman, Superman). Ele sempre foi vermelho.

Chaves é sobre a luta de classes. Burguesia (Seu Barriga, Nhonho), Pequeno-burguesia (Dona Florinda, Girafales, Quico) e Classe Operária (Chaves, Seu Madruga, Chiquinha).E você, de que lado está?


''A direita é a escória.''
RUI COSTA PIMENTA


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: Livros
MensagemEnviado: 23 Jan 2020, 07:37 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Mensagens: 85237
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 5958 vezes
Foi curtido: 1953 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
ANCELMO GOIS - O GLOBO

Melina Dalboni lançará, pela Rocco, um livro sobre o processo criativo do filme “A paixão segundo G.H.”, dirigido por Luiz Fernando Carvalho e roteirizado por ela.

A publicação revela a transformação do romance homônimo de Clarice Lispector no longa estrelado por Maria Fernanda Cândido e que tem estreia prevista para o segundo semestre.

_________________
Imagem
Imagem

Imagem
SBT, exiba os episódios perdidos mundiais do Chaves e do Chapolin !
Imagem


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: Livros
MensagemEnviado: 26 Jan 2020, 00:07 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Mensagens: 85237
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 5958 vezes
Foi curtido: 1953 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2020/01/livrarias-saraiva-e-cultura-acumulam-perdas-mesmo-apos-recuperacao-judicial.shtml

As livrarias Saraiva e Cultura continuam acumulando prejuízos, a despeito das duras medidas que adotaram para tentar sobreviver à crise que atinge o mercado editorial brasileiro nos últimos anos.

As duas empresas, que estão em processo de recuperação judicial, já fecharam 54 lojas — 38% do total — desde 2017 e demitiram 2.451 funcionários — 47,8%. Mesmo assim, continuam a operar no vermelho.

Prestes a perder o posto de maior rede de livrarias físicas do país para a Livraria Leitura, de Minas Gerais, a centenária Saraiva teve um prejuízo líquido de R$ 155,4 milhões de janeiro a novembro de 2019.

A empresa, que chegou a ter 112 lojas em 2017, hoje trabalha com 73 e responde a 30 ações de despejo na Justiça. No final de 2018, sem conseguir pagar dívidas de R$ 675 milhões, recorreu à recuperação judicial para ter fôlego e tentar evitar a decretação da falência.

Recuperação judicial é um mecanismo pelo qual a Justiça suspende as ações de execução por 180 dias, prazo no qual a empresa deve apresentar um plano de pagamento aos credores, que precisa ser aprovado por eles em assembleia.

No caso da Saraiva, os fornecedores exigiram e obtiveram o afastamento do CEO, Jorge Saraiva Neto, bisneto do fundador, que começou o negócio como um sebo no centro de São Paulo.

O novo conselho de administração escolheu para ocupar o cargo o executivo Luis Mario Bilenky, que já foi presidente da Blockbuster e diretor de marketing do McDonald’s para a América Latina.

“O cenário é de atenção, mas com perspectiva de melhora”, afirma o advogado Ronaldo Vasconcelos, administrador nomeado pela Justiça para acompanhar o processo de recuperação da Saraiva. “Com a profissionalização da gestão, deverá voltar a dar lucro ao longo deste ano.”

Ainda que deficitário, o último balanço da rede mostra que o prejuízo de novembro de 2019, de R$ 13,25 milhões, foi 54,5% menor na comparação com o mesmo mês do ano anterior, de R$ 29,14 milhões.

No início de janeiro, Vasconcelos apresentou um parecer apoiando o plano da Saraiva de vender galpões e um terreno que tem em Guarulhos, avaliados em R$ 24,5 milhões.

“Sem capital de giro, a empresa não terá como honrar seus compromissos e manter o abastecimento regular de suas lojas e do site”, disse.

Da mesma forma que a Saraiva, a Cultura enfrenta dificuldades e está em recuperação desde 2018 por não conseguir pagar dívidas de R$ 285,4 milhões. No ano passado, apesar das medidas de ajuste, acumulou até novembro um prejuízo líquido de R$ 37,7 milhões.

Para manter suas atividades, a rede pretende vender, em leilão no dia 30 de janeiro, a Estante Virtual, plataforma online de venda de livros usados, que tem cerca de 4 milhões de clientes.

O site foi comprado pelo grupo em 2017, no auge do processo de expansão da empresa criada 70 anos antes na sala de estar de sua fundadora, Eva Herz. À época, ela se chamava Biblioteca Circulante e era um modesto empreendimento de aluguel de livros.

Com o sucesso, o negócio virou uma livraria em 1950. Dezenove anos depois, quando passou a ser gerido por Pedro Herz, filho de Eva, migrou para o Conjunto Nacional, na avenida Paulista, sua principal loja.

Em 2017, além do Estante Virtual, a Cultura incorporou também a subsidiária brasileira da francesa Fnac.

Na ocasião, a notícia do negócio surpreendeu o mercado devido à situação financeira já delicada da livraria em meio à crise econômica do país.

Em documento enviado à Justiça, a administradora Alvarez & Marsal, nomeada para acompanhar o processo de recuperação da empresa, apontou a estagnação da economia brasileira, a partir de 2014, como uma das principais razões para o sufoco da livraria. “A redução do PIB em quase 10% impactou negativamente o consumo de livros”, afirma o texto.

Outro fator, segundo o documento, seria a nova geração de consumidores, “que não tem o hábito de ler livros, preferindo assistir a séries de TV e interagir nas redes sociais”.

Segundo estudos da Câmara Brasileira do Livro, com base em informações prestadas pelas editoras, houve uma queda de 26,7% na quantidade de exemplares vendidos no país entre 2013 e 2018.

Foram 479,9 milhões de obras comercializadas no primeiro ano desse período, considerando o mercado normal e o de compras governamentais, contra 352 milhões no ano em que as duas livrarias entraram em recuperação, em 2018. Ou seja, 127,9 milhões a menos.

Outra pesquisa, o Painel do Varejo de Livros no Brasil, produzida pela Nielsen e pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros com dados de varejistas, entre eles livrarias, supermercados e a Amazon, mostra que o mercado encolheu mais uma vez no ano passado.

Mesmo que tenha registrado crescimento em dezembro, quando o faturamento do setor atingiu R$ 188 milhões —valor 6,61% superior em relação ao mesmo mês de 2018—, o acumulado do ano foi de cerca de R$ 1,7 bilhão — R$ 115 milhões a menos. O volume de vendas também foi menor em 2019, com decréscimo de 6,35% se comparado a 2018.

Procuradas, as duas redes de livrarias não quiseram se manifestar sobre os prejuízos acumulados até o momento.

À Justiça, a Saraiva afirma que o “objetivo é superar gradativamente as dificuldades” e que a crise é momentânea.

Em documento anexado ao processo, a Cultura diz que seu futuro é promissor. “As décadas futuras provavelmente reservarão ao grupo crescimento tão ou mais expressivo do que aquele já experimentado ao longo de sua história.”

_________________
Imagem
Imagem

Imagem
SBT, exiba os episódios perdidos mundiais do Chaves e do Chapolin !
Imagem


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: Livros
MensagemEnviado: 26 Jan 2020, 20:47 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Mensagens: 85237
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 5958 vezes
Foi curtido: 1953 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
A Livraria Saraiva continua no Barra Shopping, mas não é nem sombra do que foi no passado.

A própria Saraiva do Botafogo Praia Shopping dá de 10 a 0 na Saraiva do Barra Shopping atualmente.

_________________
Imagem
Imagem

Imagem
SBT, exiba os episódios perdidos mundiais do Chaves e do Chapolin !
Imagem


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: Livros
MensagemEnviado: 28 Jan 2020, 06:19 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 03 Fev 2009, 00:22
Mensagens: 3240
Localização: Viamão - RS
Curtiu: 216 vezes
Foi curtido: 54 vezes
Programa CH: Chapolin
Time de Futebol: Grêmio

_________________
Avatar: Bolsocorno, o rei do gado se transformou em boi para se assemelhar ao rebanho bolsonarista. Osmar Enterra na rachadinha da Micheque.

O Chapolin é um herói latino-americano lutando contra as forças imperialistas (Super Sam, Batman, Superman). Ele sempre foi vermelho.

Chaves é sobre a luta de classes. Burguesia (Seu Barriga, Nhonho), Pequeno-burguesia (Dona Florinda, Girafales, Quico) e Classe Operária (Chaves, Seu Madruga, Chiquinha).E você, de que lado está?


''A direita é a escória.''
RUI COSTA PIMENTA


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: Livros
MensagemEnviado: 29 Jan 2020, 01:00 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Mensagens: 85237
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 5958 vezes
Foi curtido: 1953 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2020/01/leitura-sera-a-maior-rede-de-livrarias-do-brasil-ate-marco.shtml

Se as livrarias Saraiva e Cultura vêm acumulando prejuízos mesmo depois dos pedidos de recuperação judicial, em 2018, outras empresas tentam ocupar o vácuo deixado pelas duas companhias, que dividiam o posto de mais importantes do mercado.

A Travessa, por exemplo, abriu no ano passado a sua primeira loja em São Paulo e vai inaugurar outra em Niterói, no Rio de Janeiro, em abril.

A capital paulista também viu surgir nos últimos meses outras pequenas livrarias de rua, caso da Mandarina e da Livraria da Tarde, ambas no mesmo bairro de Pinheiros no qual se instalou a Travessa.

Em março, será a vez da Megafauna, no Copan, no centro da cidade.

“A expectativa é que o mercado volte a crescer neste ano”, aposta Marcos Teles, presidente da Leitura. Até março, a rede de livrarias deve se tornar a maior do país em quantidade de lojas físicas.

Com 72 pontos físicos atualmente, a Leitura inaugura uma nova livraria no shopping Ibirapuera, em São Paulo, na semana que vem, quando a rede irá se igualar em número de estabelecimentos com a Saraiva.

Em março, abre outra em Juiz de Fora, em Minas Gerais. Em abril, mais uma no shopping Santana Parque, também na capital paulista. A projeção da empresa é que, até dezembro, sete lojas sejam inauguradas.

Criada em 1967 em Belo Horizonte, a empresa surgiu vendendo livros novos e usados em um ponto de 40 metros quadrados. Mais tarde, ela se espalhou por Minas Gerais e por cidades do Norte e do Nordeste. Em 2010, passou a apostar no interior paulista, antes de inaugurar lojas na capital.

As novas unidades dos shoppings Ibirapuera e Santana Parque, por exemplo, abrem as portas em pontos onde a Saraiva fechou estabelecimentos.

“É natural ocupar o espaço. São lojas nos mesmos shoppings, mas geralmente com tamanhos menores”, diz Marcos Teles.

“Precisamos enquadrar nossas livrarias no tamanho que o momento exige. Lojas grandes, com mais de 3.000 metros quadrados, estão em xeque.”

Para Marcos da Veiga Pereira, presidente do Sindicato Nacional dos Editores de Livros, o Snel, o fato de Cultura e Saraiva continuarem a operar no vermelho dá pouca segurança para os editores oferecerem mais crédito, o que ele afirma ser fundamental para a recuperação das duas.

“Ainda assim, os números do final de 2019 foram muito positivos —nos quatro últimos meses do ano, o mercado cresceu 23%, revertendo as fortes perdas do primeiro trimestre. Isso nos dá esperança para 2020”, diz.

Marcos Teles, o presidente da Leitura, aponta três causas para a crise de Saraiva e Cultura. A primeira é a competição nas vendas online, fazendo com que ambas comercializassem títulos a preço de custo ou até com prejuízo para apresentar um bom volume de vendas.

O segundo é a manutenção de lojas deficitárias. Por último, ele lembra a aposta em eletrônicos e artigos de papelaria, que pouco têm a ver com o modelo de negócio do setor.

Na organização financeira da Leitura, o empresário diz que fecha todos os anos a loja com piores resultados. “Não temos livrarias deficitárias com mais de dois anos de funcionamento.” Sem dívidas, a empresa registra desde 2018 crescimento médio de 9%.

Isso em um mercado que viu as livrarias desaparecerem nas últimas décadas. Segundo dados do IBGE, 42,7% das cidades brasileiras tinham livrarias em 2001. Em 2018, esse número caiu para apenas 17,7%.

_________________
Imagem
Imagem

Imagem
SBT, exiba os episódios perdidos mundiais do Chaves e do Chapolin !
Imagem


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: Livros
MensagemEnviado: 30 Jan 2020, 00:18 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Mensagens: 85237
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 5958 vezes
Foi curtido: 1953 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
https://www.meutimao.com.br/noticias-do-corinthians/339867/lancamento-do-livro-sobre-cassio-tem-fila-desde-a-manha-e-presenca-de-figuras-do-corinthians

Aconteceu o lançamento do livro "Cássio : a trajetória do maior goleiro da história do Corinthians", escrito pelo jornalista e professor Celso Unzelte.

O lançamento contou com a presença do goleiro Cássio.


Vi no Facebook que o Willian foi e tirou foto com o Cássio. :joinha:

_________________
Imagem
Imagem

Imagem
SBT, exiba os episódios perdidos mundiais do Chaves e do Chapolin !
Imagem


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: Livros
MensagemEnviado: 31 Jan 2020, 02:39 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Mensagens: 85237
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 5958 vezes
Foi curtido: 1953 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
https://exame.abril.com.br/negocios/amazon-tem-resultado-trimestral-acima-do-esperado-e-acoes-saltam-13/

A Amazon divulgou nesta quinta-feira um resultado trimestral bem acima das expectativas do mercado, impulsionada por uma expansão do programa de entrega em um dia que teve custos sob controle, além de crescimento da base de assinantes do serviço Amazon Prime.

As ações da maior varejista da internet dispararam 13% depois do fechamento regular do pregão, colocando o valor de mercado da empresa de volta à marca de 1 trilhão de dólares.

Se o ganho do papel for mantido na sexta-feira, será a maior valorização da ação da Amazon em uma sessão desde outubro de 2017.

A Amazon também previu lucro operacional de até 4,2 bilhões de dólares no atual trimestre.

“Estes resultados e a previsão para o primeiro trimestre indicam que passamos pelo pior em termos de pressão de margem gerada pela entrega em um dia e que preocupações competitivas em torno da AWS foram altamente exageradas. Isso remove os dois principais argumentos negativos sobre a ação”, disse o analista James Cordwell, da Atlantic Equities.

O presidente-executivo da Amazon, Jeff Bezos, afirmou em comunicado que a companhia tem agora mais de 150 milhões de assinantes do serviço Prime, um aumento de 50% em relação à última vez que a empresa divulgou este indicador, em abril de 2018.

A receita com assinaturas da empresa subiu 32%, para 5,2 bilhões de dólares.

A receita total disparou 21%, para 87,44 bilhões de dólares no quarto trimestre, superando expectativa do mercado de 86 bilhões.

_________________
Imagem
Imagem

Imagem
SBT, exiba os episódios perdidos mundiais do Chaves e do Chapolin !
Imagem


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: Livros
MensagemEnviado: 31 Jan 2020, 20:50 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Mensagens: 85237
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 5958 vezes
Foi curtido: 1953 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
https://www.ofuxico.com.br/noticias-sobre-famosos/joseph-gordon-levitt-publica-livro-sobre-fim-de-relacionamentos/2020/01/31-369528.html

O ator Joseph Gordon-Levitt acaba de lançar o livro de autoajuda "The Art of Breaking Up", onde trata de ajudar as pessoas que como ele, já passaram pela 'dor física' de uma separação, do fim de um relacionamento.

O ator de 38 anos contou em uma recente entrevista que ficou 'fisicamente com dor' após um término.

Atualmente, casado com a empresária Tasha McCauley, com quem tem dois filhos, falou sobre um momento difícil que experimentou sobre o fim de um outro relacionamento, e disse que o processo fez com que ele 'se odiasse' ao ponto de desejar estar morto.

Ele conta no livro : "Eu me odiei. Não odiava ela. Eu sentia falta dela. Estava muito apaixonado por ela. E ela estava loucamente apaixonada por mim também. Não, ela não estava mais. Mas esteve em algum momento", justifica."Eu sentia dor física todos os dias. Meu corpo doía. Eu acordava e desejava não ter acordado. Eu queria estar inconsciente".

_________________
Imagem
Imagem

Imagem
SBT, exiba os episódios perdidos mundiais do Chaves e do Chapolin !
Imagem


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: Livros
MensagemEnviado: 01 Fev 2020, 04:18 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Mensagens: 85237
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 5958 vezes
Foi curtido: 1953 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
O ESTADO DE S.PAULO

A Humanitas, editora ligada à Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP e que publicava a produção intelectual dos professores e alunos, está encerrando as atividades.

Em um e-mail enviado aos autores, fala sobre a venda dos títulos a preços reduzidos, para diminuir o estoque e levantar verba para “saldar compromissos financeiros”.

_________________
Imagem
Imagem

Imagem
SBT, exiba os episódios perdidos mundiais do Chaves e do Chapolin !
Imagem


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: Livros
MensagemEnviado: 02 Fev 2020, 06:58 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Mensagens: 85237
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 5958 vezes
Foi curtido: 1953 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
LAURO JARDIM - O GLOBO

Em julho do ano passado, o padre Marcelo Rossi foi empurrado do palco em que celebrava uma missa, no interior de São Paulo. Não quebrou nada.

Já as reflexões que surgiram depois de sair ileso do incidente vão virar livro.

A obra, ainda sem título, sai pela editora Planeta em julho, quando completa um ano do episódio.

_________________
Imagem
Imagem

Imagem
SBT, exiba os episódios perdidos mundiais do Chaves e do Chapolin !
Imagem


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: Livros
MensagemEnviado: 02 Fev 2020, 09:02 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 30 Jan 2009, 16:41
Mensagens: 20668
Localização: Americana-SP
Curtiu: 0 vez
Foi curtido: 8 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: São Paulo
Vocês assinam algum clube de assinatura? Atualmente eu assino a TAG e acho muito legal a proposta deles.

_________________
Imagem

Imagem


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: Livros
MensagemEnviado: 02 Fev 2020, 09:59 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Mensagens: 85237
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 5958 vezes
Foi curtido: 1953 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
Jader escreveu:
Vocês assinam algum clube de assinatura? Atualmente eu assino a TAG e acho muito legal a proposta deles.


Não.

Que bom que você voltou a postar aqui. :)

_________________
Imagem
Imagem

Imagem
SBT, exiba os episódios perdidos mundiais do Chaves e do Chapolin !
Imagem


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: Livros
MensagemEnviado: 06 Fev 2020, 03:50 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Mensagens: 85237
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 5958 vezes
Foi curtido: 1953 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
https://www.publishnews.com.br/materias/2019/10/22/as-sete-mudancas-que-vao-acontecer-na-edicao-de-livros-nos-proximos-anos

Nas últimas três décadas, nós nos afastamos de um mundo no qual uma editora precisava ter uma infraestrutura substancial para entregar livros impressos a milhares de locais de varejo.
E “naquela época” e em boa parte do tempo desde então, a maioria dos leitores encontrava e comprava os livros que queria nessas lojas.

Nos Estados Unidos, tanto o mercado quanto a natureza da infraestrutura mudaram. Agora, mais da metade das vendas de livros e uma quantidade ainda maior do processo de “descoberta” ocorrem on-line e grande parte dessa descoberta e as compras ocorrem em uma única conta : Amazon.

Você não precisa de uma grande organização para cobrir uma única conta nem de uma grande infraestrutura para atendê-la.

A outra metade das vendas nos Estados Unidos e no mundo agora é facilitada por outra conta única, Ingram Content Group.

A Ingram fornece todos os componentes da infraestrutura fixa que qualquer editora de livros exige e, de fato, fornece toda ou parte dessa infraestrutura a um número cada vez maior de editoras. Muitas delas só existem por causa dessa mudança que exige apenas uma fração do investimento necessário para criar uma editora, se compararmos com o exigido há três décadas.

Mas muitas são editoras de longa data que estão reduzindo os custos fixos em comparação com os variáveis, usando cada vez mais a Ingram. (E, deve ser notado, serviços de vendas e distribuição também são fornecidos pelas grandes editoras que continuam trabalhando sozinhas em um mercado cada vez menor).

E tudo o que as editoras fazem que não exige uma grande infraestrutura : encontrar e desenvolver livros, editá-los, projetá-los e comercializá-los (cada vez mais usando oportunidades digitais para conversar diretamente com os consumidores) pode ser realizado por uma vasta rede de freelancers e prestadores de serviços para pequenas empresas. E muitos deles ganharam uma valiosa experiência fornecendo esses mesmos serviços às grandes editoras que continuam a usá-los.

A partir dessa análise da situação atual, apresentamos algumas previsões sobre como o mundo da edição evoluirá nos próximos anos.

1. As vendas serão cada vez mais on-line. O movimento de vendas de livros de lojas físicas para on-line não diminuiu desde o início da Amazon. Não há motivos para que isso mude. Os livros têm muitas características que os tornam perfeitos para as compras on-line. É possível escolher a partir de uma seleção completa que nenhuma loja possui. Isso é muito raro quando se precisa de um livro na hora. E os livros são pesados, então ninguém quer carregá-los, se puder evitar isso. A minha visão é que continuará sendo muito desafiador tornar as livrarias físicas comercialmente viáveis.

2. As outras grandes livrarias on-line em geral serão os maiores concorrentes da Amazon nas vendas de livros. Até agora, a Amazon foi a única beneficiária dessa mudança para as compras on-line. Isso pode estar mudando. Outras grandes marcas de varejo, como Walmart e Costco, construíram robustos negócios on-line. A Ingram agora permite que elas possam vender uma linha completa de livros. Existem compradores que preferem evitar a Amazon e há outros compradores que são leais a alguns desses outros varejistas. O meu palpite é que não vai demorar muito para entendermos que não serão as livrarias que vão tirar vendas de livros da Amazon; serão as outras grandes redes de varejos.

3. O mercado de livros bifurcados continuará : como os mercados de massa logo depois da Segunda Guerra Mundial. Existe todo um mundo editorial que é primeiro digital, gerado por autopublicadores, e que oferece (principalmente) ficção de gênero a preços que as editoras comerciais não conseguem igualar : 4,99 dólares ou menos. O resultado foi que as editoras comerciais estão achando cada vez mais difícil, se não impossível, competir no mercado de ficção de gênero voltado a clientes que leem muitos livros por semana. Isso nunca tinha acontecido. O mercado de massa de livros paperbacks logo após a Segunda Guerra Mundial se transformou em um sistema de publicação separado do “comercial” até que os dois começaram a se misturar em meados da década de 1960. O que pôs fim à era anterior foi a pressão de ambos os lados da equação. O sistema de distribuição no mercado de massa ficou entupido, as devoluções aumentaram e ele se tornou ineficiente, pesado e caro. E essas editoras também queriam vender em livrarias. Esses efeitos parecem não se aplicar às circunstâncias atuais, então parece que o mercado de e-books baratos e o mercado comercial permanecerão separados no futuro próximo.

4. As editoras usarão cada vez mais provedores de serviços para diminuir despesas. À medida que o negócio de publicações comerciais diminui devido ao espaço reduzido nas prateleiras e ao aumento da concorrência de editoras que nascem a partir das novas circunstâncias, as grandes editoras terão cada vez mais dificuldades para bancar suas despesas gerais. Até o momento, elas abordaram esse desafio principalmente adicionando outras editoras como clientes de vendas e distribuição. Não é uma estratégia que pode ser aplicada infinitamente. O próximo passo seria começar a eliminar os custos : os vendedores e os depósitos estão sendo substituídos hoje em dia pela Ingram ou outra grande editora. Veremos a queda progressiva do número de vendedores ligando para as livrarias e o número de depósitos de onde partem os livros nos próximos anos.

5. As grandes editoras verão uma parcela cada vez maior de suas próprias vendas acontecendo com livros de seu catálogo. Embora esteja ficando cada vez mais difícil para as editoras lançarem com sucesso novos livros, há novas oportunidades aparecendo no radar todos os dias para títulos no catálogo. Isso é verdade porque as fontes de informação digital encontram e publicam livros, independentemente de sua idade, e porque as editoras não precisam posicionar o estoque nas lojas para torná-los acessíveis ao público. Todas as editoras estão alertas à ideia de que precisam olhar para o mundo todo para ver se algum de seus títulos de catálogo está se destacando e, em seguida, usam seus próprios recursos para ver se conseguem converter esse interesse e conhecimento em vendas. O resultado líquido mais difícil das vendas de novos títulos e maiores oportunidades de catálogo alterarão o balanço de vendas das editoras mais para o lado do catálogo.

6. A Amazon Publishing continuará fazendo avanços na assinatura de grandes autores; apenas uma decisão dos tribunais poderia impedi-la. Quando a Amazon lançou seu programa de publicação de livros há dez anos, provavelmente tinha cerca de metade da participação de mercado que possui atualmente. Os grandes autores querem alcançar todo o público e quando as livrarias independentes e de rede se combinaram para boicotar efetivamente os títulos da Amazon, isso significou que era difícil chegar a grande parte da base de consumidores. Agora a participação da Amazon no mercado aumentou e, além disso, podem entrar no mundo das assinaturas de livros da Amazon sem problemas. A Amazon sempre pode pagar mais por cada dólar de vendas do que uma editora que não possui sua própria rede de varejo; agora há poucos consumidores que a Amazon não consegue ter acesso, mesmo que as lojas restantes queiram boicotar seus grandes títulos. Com isso, parece que a Amazon possui uma vantagem injusta, sendo o maior varejista competindo com seus fornecedores por clientes que a Amazon possui. Mas, para que isso tenha algum valor, é preciso que seja a opinião de algum tribunal, não apenas minha. Talvez à medida que os efeitos das atuais circunstâncias do mercado sobre a concorrência se tornem mais claros, um tribunal entenderá a situação dessa maneira.

7. A “entidade da autopublicação” aumentará dramaticamente, apresentando mais desafios à publicação comercial de não ficção. As peças estão no lugar certo para que “publicar livros” se torne parte da estratégia de marketing de qualquer grande entidade. Você não precisa possuir uma editora de livros para lançá-los, assim como não é preciso ter um jornal ou revista para publicar um artigo. A Ingram ou uma grande editora podem lidar com o trabalho pesado, as partes que exigem muito capital intensivo. E vários exércitos de provedores de serviços, a maioria deles com experiência em trabalhar para ou com editoras comerciais estabelecidas, podem criar estratégias, escrever, editar, fazer o design, o digital e todo o outro marketing, e até trabalhar com os direitos de venda. Um exército menor de intermediários para ajudar grandes marcas de todos os tipos a utilizar esses recursos onipresentes está prestes a entrar em ação. Nos próximos anos, veremos um tsunami de publicação de não ficção por entidades capazes, como o tsunami que vimos na publicação de ficção, diretamente pelos autores. Eles terão uma característica muito semelhante : chegar aos leitores será mais importante para eles do que ganhar dinheiro. Isso sugere que a concorrência de preços que vimos na ficção pode estar prestes a ser replicada de maneira muito mais ampla.

E quando isso acontecer, será a hora de um novo conjunto de previsões, porque teremos outra mudança radical.

_________________
Imagem
Imagem

Imagem
SBT, exiba os episódios perdidos mundiais do Chaves e do Chapolin !
Imagem


Editado pela última vez por Bugiga em 12 Mar 2020, 08:28, em um total de 1 vez.
Colocação de spoiler em notícia longa


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: Livros
MensagemEnviado: 08 Fev 2020, 00:34 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 04 Dez 2011, 22:00
Mensagens: 35825
Curtiu: 4272 vezes
Foi curtido: 3511 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Palmeiras
Governo de RO manda recolher 'Macunaíma' e mais 42 livros e depois recua
A Secretaria de Educação de Rondônia distribuiu nesta quinta-feira (6) um memorando e uma lista de livros para serem recolhidos das escolas por conterem o que foi definido como "conteúdos inadequados" a crianças e adolescente. A pasta voltou atrás após questionamentos à medida.
A lista das obras censuradas inclui 43 títulos. São livros de autores consagrados como Caio Fernando Abreu, Carlos Heitor Cony, Euclides da Cunha, Ferreira Gullar, Nelson Rodrigues e Rubem Fonseca. Também fazem parte o livro "O Castelo", de Franz Kafka, "Macunaíma", de Mário de Andrade e "Memórias Póstumas de Brás Cubas", de Machado de Assis —as duas últimas, obras recorrentemente exigidas em vestibulares.
O memorando ressalta a importância de os educadores "estarem atentos as demais literaturas já existentes ou que chegam nas escolas" (sic) de modo que "sejam analisadas e assegurados os direitos do estudante de usufruir do mesmo com a intervenção do professor ou sozinho sem constrangimentos e desconfortos".
A relação traz ainda uma observação: "Todos os livros do Rubem Alves devem ser recolhidos". Morto em 2014, Alves escrevia sobre educação e questionava o formato tradicional da escola.
O governador de Rondônia, coronel Marcos Rocha, é filiado ao PSL, ex-partido do presidente Jair Bolsonaro. A expectativa é que Rocha acompanhe Bolsonaro em seu novo partido, o Aliança.
https://www1.folha.uol.com.br/educacao/ ... ecua.shtml

_________________
Imagem


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Exibir mensagens anteriores:  Ordenar por  
Criar novo tópico Responder  [ 1495 mensagens ]  Ir para página Anterior  1 ... 91, 92, 93, 94, 95, 96, 97 ... 100  Próximo

Todos os horários são GMT - 3 horas


Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 4 visitantes


Enviar mensagens: Proibido
Responder mensagens: Proibido
Editar mensagens: Proibido
Excluir mensagens: Proibido

Procurar por:
Ir para:  
cron