Livros

Espaço para debates sobre assuntos que não sejam relacionados a Chespirito, como cinema, política, atualidades, música, cotidiano, games, tecnologias, etc.
Avatar do usuário
E.R
Membro
Membro
Mensagens: 88053
Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 5426 vezes
Curtiram: 1941 vezes

Livros

Mensagem por E.R » 13 Jul 2020, 12:34

Bia N escreveu:
13 Jul 2020, 08:37

E aquele espaço que antes era da Fnac, já tem loja inaugurada? Faz muito tempo que não vou lá.
Até agora não abriu nada no lugar.
Imagem
Imagem

Avatar do usuário
Victor235
Membro
Membro
Mensagens: 38358
Registrado em: 04 Dez 2011, 22:00
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Palmeiras
Curtiu: 3628 vezes
Curtiram: 3076 vezes

Livros

Mensagem por Victor235 » 13 Jul 2020, 18:46

Sei disso, Fabão. Os funcionários não tem culpa dos erros trabalhistas dos patrões. Para eles, era melhor receberem com atraso e regularizar isso de outra forma do que perder o emprego e ir todo mundo para a rua. Ou seja, eles sofreram nas mãos de seus chefes, e mais ainda por causa do governo, que tomou uma medida drástica, mesmo considerando que a emissora é uma concessão pública.
"Se aproveitaram da minha astúcia" - VELOSO, Caetano

Avatar do usuário
Barbano
Administrador
Administrador
Mensagens: 41749
Registrado em: 28 Jan 2009, 13:29
Time de Futebol: São Paulo
Localização: São Carlos (SP)
Curtiu: 1888 vezes
Curtiram: 3800 vezes

Livros

Mensagem por Barbano » 15 Jul 2020, 11:26

Victor235 escreveu:
13 Jul 2020, 18:46
Sei disso, Fabão. Os funcionários não tem culpa dos erros trabalhistas dos patrões. Para eles, era melhor receberem com atraso e regularizar isso de outra forma do que perder o emprego e ir todo mundo para a rua. Ou seja, eles sofreram nas mãos de seus chefes, e mais ainda por causa do governo, que tomou uma medida drástica, mesmo considerando que a emissora é uma concessão pública.
O mercado é dinâmico. Fechou a Tupi, abriram a TVS São Paulo e a Manchete. Não necessariamente com os mesmos funcionários, mas também foram gerados empregos para tocar essas novas emissoras.

E vale para tudo. Não tem porque o governo ficar empurrando empresa quebrada/ineficiente com a barriga. Quando é decretada a falência de alguma empresa, também são perdidos empregos, mas muitas vezes é necessário. Novas empresas, com melhor saúde financeira e mais eficientes, surgirão no mercado ocupando o lugar.
Esses usuários curtiram o post de Barbano (total: 1):
Bazzo

Avatar do usuário
Phoebe Buffay
Membro
Membro
Mensagens: 7936
Registrado em: 13 Nov 2012, 23:45
Programa CH: Chespirito
Localização: Casa nº 21
Curtiu: 19 vezes
Curtiram: 689 vezes

Livros

Mensagem por Phoebe Buffay » 15 Jul 2020, 22:12

Victor235 escreveu:
12 Jul 2020, 21:35
Assistiu o vídeo dos funcionários da TV Tupi implorando ao Figueiredo, que em nenhum momento relevou e fez todos pagarem por um erro que não cometeram, Tadisson?
Sinceramente? Não ligo. Minha tia-avó já trabalhou na Tupi como maquiadora, a emissora era o puro suco de incompetência. Ela me contou que num dia Dercy Gonçalves vinha puta porque a Tupi não tinha pagado o ordenado dos funcionários em dia mesmo ela dando 70 de audiência, o dinheiro ia praticamemte todo pra dívida.

Se a Globo aproveitou o momento ditatorial pra crescer, aí não é problema meu, mas foi ridícula aquela tentativa de funcionários administrarem as emissoras que estavam praticamente fadadas ao fracasso.
Esses usuários curtiram o post de Phoebe Buffay (total: 1):
Barbano
Imagem

Avatar do usuário
E.R
Membro
Membro
Mensagens: 88053
Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 5426 vezes
Curtiram: 1941 vezes

Livros

Mensagem por E.R » 18 Jul 2020, 02:33

NOTÍCIAS
https://www1.folha.uol.com.br/colunas/m ... oras.shtml

Personalidades como a atriz Fernanda Montenegro e o padre Fábio de Melo são alguns dos cem entrevistados para o livro “Dá um Tempo !”, que a jornalista Izabella Camargo lança em agosto.

Na obra, Izabella Camargo, que foi diagnosticada com síndrome de burnout, reflete sobre a relação das pessoas com as horas.
Imagem
Imagem

Avatar do usuário
E.R
Membro
Membro
Mensagens: 88053
Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 5426 vezes
Curtiram: 1941 vezes

Livros

Mensagem por E.R » 19 Jul 2020, 06:06

NOTÍCIAS
LAURO JARDIM - O GLOBO

O mercado de audiolivros continuou crescendo em meio à pandemia do coronavírus.

A Autibooks, parceira das editoras Record, Sextante e Intrínseca, teve um aumento de 200 % em junho de 2020 ante ao mesmo mês de 2019.

O número de audiolivros editados saltou de 100 para 900 no mesmo período.
Imagem
Imagem

Avatar do usuário
E.R
Membro
Membro
Mensagens: 88053
Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 5426 vezes
Curtiram: 1941 vezes

Livros

Mensagem por E.R » 22 Jul 2020, 10:29

NOTÍCIAS
https://veja.abril.com.br/blog/radar/cl ... -ineditas/

Um dos clássicos da autoajuda vai ganhar uma edição comemorativa de 20 anos de publicação com 20 histórias inéditas.

O livro “Canja de galinha para a alma – Histórias para aquecer o coração” terá uma nova edição lançada pela Harper Collins em agosto.

A obra já vendeu mais de 8 milhões de cópias em todo o mundo e é um best-seller do The New York Times.

O livro reúne 101 relatos pessoais escritos por diferentes autores.
Imagem
Imagem

Avatar do usuário
E.R
Membro
Membro
Mensagens: 88053
Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 5426 vezes
Curtiram: 1941 vezes

Livros

Mensagem por E.R » 24 Jul 2020, 14:22

NOTÍCIAS
https://veja.abril.com.br/blog/radar/me ... iterarios/

O mercado editorial começa aos poucos a enxergar o caminho para retomar lançamentos e o faturamento nessa pandemia.

Com boa parte das cidades retomando do comércio de rua e reabrindo os shoppings, agosto tornou-se o mês de referência para a retomada de lançamentos literários no país.

Uma das grandes editoras de São Paulo, a Matrix já planeja lançar no próximo mês seis obras.
Imagem
Imagem

Avatar do usuário
Victor235
Membro
Membro
Mensagens: 38358
Registrado em: 04 Dez 2011, 22:00
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Palmeiras
Curtiu: 3628 vezes
Curtiram: 3076 vezes

Livros

Mensagem por Victor235 » 24 Jul 2020, 19:50

Deveria ser o contrário: lançarem livros pro pessoal ir lendo durante a quarentena :P
Esses usuários curtiram o post de Victor235 (total: 1):
E.R
"Se aproveitaram da minha astúcia" - VELOSO, Caetano

Avatar do usuário
E.R
Membro
Membro
Mensagens: 88053
Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 5426 vezes
Curtiram: 1941 vezes

Livros

Mensagem por E.R » 24 Jul 2020, 19:55

Concordo.

E não só livros, mas novos álbuns (música).

--
NOTÍCIAS
https://blogs.oglobo.globo.com/ancelmo/ ... taria.html

Paulo Guedes decidiu taxar a comercialização de livros em 12%, no lugar do PIS/Cofins.

Só que uma lei de 2003 deixa claro que as receitas com as vendas no mercado interno de livros não pagam estes dois tributos PIS e Cofins.
Imagem
Imagem

Avatar do usuário
E.R
Membro
Membro
Mensagens: 88053
Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 5426 vezes
Curtiram: 1941 vezes

Livros

Mensagem por E.R » 29 Jul 2020, 06:30

NOTÍCIAS
https://oglobo.globo.com/cultura/reform ... r-24549569

Há uma semana, editores e livreiros vivem uma apreensão além da pandemia do novo coronavírus. A tramitação da reforma tributária no Congresso Nacional acena com uma nova ameaça ao setor.

A proposta apresentada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, no último dia 21, concede imunidade fiscal a igrejas, sindicatos, partidos políticos, entidades beneficentes e condomínios, mas não à combalida indústria do livro, que até hoje é isenta do pagamento do PIS e da Cofins graças à Lei 10.865, de 2004.

Se o texto da reforma for aprovado como está — e se não for aprovada uma nova lei que dê imunidade fiscal aos livros — o setor passará a pagar a alíquota de 12% da Contribuição Social sobre Operações com Bens e Serviços (CBS), que extingue o PIS e a Cofins.

Para o presidente do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel), Marcos da Veiga Pereira, o efeito seria “devastador”.

— O livro tem que ser visto como um bem essencial. Apesar de sermos comparativamente uma indústria pequena, somos muito relevantes em termos de contribuição para a sociedade. Isso exige um olhar mais atento do governo — defende.

Segundo o presidente da Câmara Brasileira do Livro (CBL), Vitor Tavares, a proposta apresentada deixou o setor “cético e preocupado”. Ele afirma que, por meio de suas entidades de classe, editores e livreiros estão buscando diálogo com deputados e senadores e tentando convencê-los a estender a imunidade fiscal à indústria do livro.

— Num país onde o livro já é um produto de difícil acesso, tanto pelo baixo índice de leitura quanto pela produção aquém do ideal, o impacto de uma nova contribuição será terrível e certamente provocará aumento dos preços — diz.

O mercado editorial brasileiro anda mal das pernas há tempo s: encolheu 20% entre 2006 e 2019, segundo a pesquisa divulgada no início do mês pelo Snel e pela CBL. Nesse mesmo período, o preço médio do livro, descontada a inflação, caiu 34%.

Em 2018, as duas maiores redes de livrarias do país, a Saraiva e Cultura, pediram recuperação judicial. Apesar de tudo isso, o segmento vinha reagindo : cresceu 6,1% em 2019. Mas aí aconteceu a pandemia, as livrarias foram obrigadas a fechar as portas e as editoras tiveram de desacelerar a produção, derrubando o faturamento do setor em abril e maio.

Para Bernardo Gurbanov, presidente da Associação Nacional de Livrarias (ANL), o novo tributo obrigaria o setor a um “equilíbrio delicadíssimo” para manter preços acessíveis.

— É necessário que o poder público, em todas as suas instâncias, e a sociedade percebam que o valor dos livros não se mede por um somatório de números tributáveis, mas diz respeito à construção da cidadania — diz.

— Nosso alerta tem que ser claro : essa medida é contraproducente não só para o setor do livro, mas para toda a sociedade.

A Constituição Federal proíbe a cobrança de impostos sobre “livros, jornais, periódicos e o papel destinado à impressão”. No entanto, a Contribuição Social sobre Operações com Bens e Serviço proposta pelo governo não é propriamente um imposto, mas sim, como o próprio nome anuncia, uma contribuição.

No Brasil, há três tipos de tributos : impostos, taxas e contribuições sociais. Impostos e contribuições são arrecadados para custear a atividade pública.

Diferentemente dos impostos, as contribuições sociais têm destinações específicas (como o financiamento da seguridade social, no caso da Cofins).

Já as taxas são pagas em contrapartida a serviços prestados pelo Estado, como a emissão de documentos ou o licenciamento de veículos.

— Se aprovada a reforma, a isenção fiscal dos livros passa a depender da aprovação de uma nova lei pelo Congresso — explica Osmar Simões, sócio do escritório Chediak Advogados.

Presidente da Frente Parlamentar Mista em Defesa do Livro, da Leitura e da Escrita, a deputada federal Fernanda Melchionna (PSOL) diz que irá defender a imunidade fiscal para os livros.

Ela é autora de um projeto de lei que propõe linhas de crédito especiais para socorrer editoras, livrarias e sebos durante a pandemia. A deputada lembra que, em contrapartida à isenção do pagamento do PIS e da Cofins, as entidades representativas do setor financiam há anos a pesquisa “Retratos da Leitura do Brasil”, que é referência para a formulação de políticas públicas de incentivo à leitura.

Em 2015, a International Publishers Association (Associação Internacional de Editores, IPA) divulgou uma pesquisa sobre a tributação de livros em 79 países. De todos os analisados, 31 (39%) não taxam a venda.

Nos demais, o imposto médio sobre as publicações impressas é de 5,75%, e sobre e-books é de 12,25%. Dos nove países latino-americanos analisados (Brasil, Uruguai, Argentina, Chile, Peru, Equador, Colômbia, Venezuela e México), o Chile é o único a taxar a venda de livros (19%). “Taxar livros restringe sua circulação, o que deve preocupar os países em desenvolvimento que tentam reduzir seu déficit de conhecimento e também os países desenvolvidos que tentam manter sua competitividade”, conclui a pesquisa.
Imagem
Imagem

Avatar do usuário
E.R
Membro
Membro
Mensagens: 88053
Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 5426 vezes
Curtiram: 1941 vezes

Livros

Mensagem por E.R » 31 Jul 2020, 07:39

NOTÍCIAS
ANCELMO GOIS - O GLOBO

O juiz Marco de Souza atendeu a um pedido da filial do Barra Shopping da Saraiva, e da Multiplan, que administra o centro comercial, para suspender por 15 dias o processo de despejo da livraria.

É que as empresas entraram em um acordo e a livraria se comprometeu a entregar as chaves do imóvel 15 dias após a autorização do shopping para que uma equipe entre para esvaziar a loja.

Em janeiro desse ano, a Justiça autorizou o despejo por falta de pagamento e rescindiu o contrato de locação.
Imagem
Imagem

Avatar do usuário
E.R
Membro
Membro
Mensagens: 88053
Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 5426 vezes
Curtiram: 1941 vezes

Livros

Mensagem por E.R » Ontem, 11:01

NOTÍCIAS
https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada ... irus.shtml

Pegas de surpresa pelo coronavírus, livrarias que estavam em ascensão tiveram seus planos interrompidos, lojas que estavam com a corda no pescoço agravaram sua crise e quem soube se adaptar a um mercado digital se deu melhor.

Isso porque a demanda por livros, mesmo sofrendo um baque, não esmoreceu — o que se atesta pela última pesquisa de mercado da Nielsen com o Sindicato Nacional dos Editores de Livros, que mostra um aumento real no volume e no faturamento de livros vendidos de 15 de junho a 12 de julho, em comparação com o mesmo período do ano passado.

Se as vendas caíram quase pela metade na virada de março para abril — o susto do “e agora ?”—, elas foram escalando aos poucos nos meses seguintes, até que em julho ficaram 4% acima do ano passado.

Os números parecem indicar que a reabertura das livrarias, permitida em São Paulo desde junho, trouxe alívio ao setor.

Mas é preciso cautela. Samuel Seibel, presidente da Livraria da Vila, diz estar tirando cerca de 30% do faturamento normal nas lojas reabertas, e Rui Campos, dono da Travessa, afirma que o movimento gira em torno de um quinto da média.

É um reflexo de leitores ainda temerosos em sair às ruas enquanto a pandemia mata mais de mil brasileiros por dia. “Se houvesse um suporte financeiro suficiente, talvez fosse melhor manter fechado”, diz. “Mas seria uma atitude quixotesca, porque você vai ser o único.”

O dono da Vila ressalta que o cuidado na reabertura foi muito grande — e, de fato, uma visita à unidade da rua Fradique Coutinho faz o leitor encontrar um funcionário medindo temperatura na porta, livros encapados em plástico para facilitar a limpeza e um cartaz orientando a formar uma fila na porta quando já houver 12 visitantes lá dentro.

A Livraria Simples, que ocupa uma casa da Bela Vista, foi uma que preferiu não reabrir por ora, tendo como primeiro motivo preservar a saúde de clientes e funcionários. “O segundo motivo”, diz o sócio Beto Ribeiro, “é que, apesar de o faturamento ter diminuído, não diminuiu tanto.” Se as compras caíram para um quinto do total no começo da pandemia, uma atividade intensa de entregas e de abordagem por mídias sociais fizeram com que a Simples fechasse julho vendendo 20% a mais do que o mesmo mês do ano passado.

Dono de uma editora e duas lojas que levam seu nome em São Paulo, Alexandre Martins Fontes também conta uma história que, segundo ele, o confirma como feliz exceção à crise. Já em maio, o e-commerce da livraria quadruplicou as vendas. Somado a encomendas por WhatsApp e retiradas na porta, a Martins Fontes viu seu faturamento subir.

Mas, pensando na sobrevivência de lojas com menos estrutura e capital de giro, o livreiro mobilizou o projeto Retomada na Câmara Brasileira do Livro, que quer arrecadar R$ 500 mil até 31 de agosto para distribuir a 50 pequenas livrarias — mais da metade do dinheiro já foi reunida.

Aquelas que puderam se reinventar rápido amorteceram um possível desastre. A Mandarina, que tinha poucos meses de idade em Pinheiros quando a quarentena a obrigou a fechar, se segurou na venda por redes sociais e na oferta de cursos online. As próprias sócias, Daniela Amendola e Roberta Paixão, passaram a pegar o carro para fazer entregas.

“Quando você tem uma estrutura muito grande, a flexibilidade é mais lenta”, afirma Roberta Paixão. “É mais difícil uma empresa com 200 lojas conseguir fazer essa virada rápida, como nós fizemos. A gente é um veleiro, eles são um transatlântico.”

Para ficar na metáfora marinha, os dois maiores navios do mercado ainda estão no meio de uma forte tormenta. Tanto a Livraria Cultura quanto a Saraiva, que não quiseram fazer comentários, se veem enredadas em processos de recuperação judicial. As duas suspenderam o pagamento a editoras no início da pandemia, e a Justiça decidiu que a Saraiva deveria devolver a elas metade do seu estoque. Desde o início da pandemia, a rede fechou 13 das 75 filiais que tinha pelo Brasil — e, no último desdobramento do processo, propôs dividir suas lojas restantes em dois grupos e vender um deles. Um relatório mostrou que, em maio, o faturamento da Saraiva foi 85% menor que no mesmo mês do ano passado.

Presidente da Associação Nacional de Livrarias, Bernardo Gurbanov diz não ter identificado um cenário de quebradeira assolando o setor, como se temia quando a pandemia começou. E celebra a inclusão de pequenas livrarias e editoras na Lei Aldir Blanc, que vai destinar R$ 3 bilhões para o setor cultural.

Bernardo Gurbanov aponta que a emergência mostrou que as grandes plataformas online “correm com vantagem muito grande”. Ou, nas palavras de Alexandre Martins Fontes, “a Amazon é inquestionavelmente a grande beneficiada desta pandemia”.

“Hoje a Amazon se converteu no principal cliente das editoras, até porque não trabalha com consignação”, diz o presidente da ANL. “E claro que políticas comerciais mais agressivas acabam prejudicando as pequenas, porque a competição não é em condições minimamente equitativas.”

Alexandre Munhoz, gerente-geral de livros na Amazon, afirma que a empresa se esforça “para que o setor livreiro continue pulsando, com incentivos para todas as pontas”.

Ele diz que a plataforma tem “uma obsessão” por ampliar as opções de livros para os clientes, inclusive aqueles só disponíveis em lojas menores, mais especializadas. “Milhares de livrarias e sebos vendem pelo site da Amazon no modelo de marketplace, que dá segurança para quem não tem condições de ter um site e atrair tráfego. Reconhecemos um valor enorme nas livrarias pequenas e queremos que continuem prosperando.”

É difícil de contestar que a pandemia acelerou um modelo de venda mais híbrido, em que a livraria física se alicerça em outros meios de alcançar seu leitor.

“A minha loja virtual dobrou o movimento, mas é paradoxal”, comenta Rui Campos, da Travessa. “Porque o mercado não vive sem a livraria. O desejo pelo livro não é entrar num site, é conviver, tocar, ver a capa. O dia em que não tiver mais livraria, não tem mais online também, porque o livro vai ter se tornado dispensável.”
Imagem
Imagem

Avatar do usuário
E.R
Membro
Membro
Mensagens: 88053
Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 5426 vezes
Curtiram: 1941 vezes

Livros

Mensagem por E.R » 35 minutos atrás

NOTÍCIAS
https://www1.folha.uol.com.br/colunas/m ... vros.shtml

Entidades representativas do livro no Brasil vão divulgar um manifesto que pede a manutenção da isenção de impostos para o papel utilizado na impressão.

A proposta de reforma tributária do governo federal encaminhada ao Congresso prevê a criação de uma contribuição de 12% sobre bens e serviços — o que atingirá os livros.

O documento é assinado pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros, pela Câmara Brasileira do Livro e pela Associação Brasileira de Editores de Livros Escolares.

Elas afirmam que é necessário um tratamento diferenciado para manter os livros acessíveis como fonte de educação, crescimento intelectual e difusão da cultura.
Imagem
Imagem

Responder