Venda de armas no Brasil

Espaço para debates sobre assuntos que não sejam relacionados a Chespirito, como cinema, política, atualidades, música, cotidiano, games, tecnologias, etc.
Victor235
Membro
Membro
Mensagens: 38447
Registrado em: 04 Dez 2011, 22:00
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Palmeiras
Curtiu: 3639 vezes
Curtiram: 3083 vezes

Re: Venda de armas no Brasil

Mensagem por Victor235 » 13 Fev 2020, 21:40

Nem sabia que o Brasil tinha uma empresa estatal fabricante de armas.
"Se aproveitaram da minha astúcia" - VELOSO, Caetano

Avatar do usuário
Phoebe Buffay
Membro
Membro
Mensagens: 7936
Registrado em: 13 Nov 2012, 23:45
Programa CH: Chespirito
Localização: Casa nº 21
Curtiu: 19 vezes
Curtiram: 689 vezes

Re: Venda de armas no Brasil

Mensagem por Phoebe Buffay » 15 Fev 2020, 14:13

Fabricante de munições, correto?
Imagem

Victor235
Membro
Membro
Mensagens: 38447
Registrado em: 04 Dez 2011, 22:00
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Palmeiras
Curtiu: 3639 vezes
Curtiram: 3083 vezes

Re: Venda de armas no Brasil

Mensagem por Victor235 » 15 Fev 2020, 18:27

A matéria dizia "Hoje em dia, há poucas empresas fabricando armamento civil no Brasil, a estatal Imbel e a CBC-Taurus dominam o mercado".
"Se aproveitaram da minha astúcia" - VELOSO, Caetano

Avatar do usuário
Phoebe Buffay
Membro
Membro
Mensagens: 7936
Registrado em: 13 Nov 2012, 23:45
Programa CH: Chespirito
Localização: Casa nº 21
Curtiu: 19 vezes
Curtiram: 689 vezes

Re: Venda de armas no Brasil

Mensagem por Phoebe Buffay » 15 Fev 2020, 18:33

Confundi com a companhia brasileira de cartuchos, você está certo.
Imagem

Victor235
Membro
Membro
Mensagens: 38447
Registrado em: 04 Dez 2011, 22:00
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Palmeiras
Curtiu: 3639 vezes
Curtiram: 3083 vezes

Re: Venda de armas no Brasil

Mensagem por Victor235 » 15 Fev 2020, 18:36

Estou? Mas eu nem conhecia a empresa :P
"Se aproveitaram da minha astúcia" - VELOSO, Caetano

Avatar do usuário
E.R
Membro
Membro
Mensagens: 88200
Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 5436 vezes
Curtiram: 1948 vezes

Re: Venda de armas no Brasil

Mensagem por E.R » 06 Mar 2020, 02:19

https://www1.folha.uol.com.br/mundo/202 ... asil.shtml

O deputado federal Eduardo Bolsonaro subiu ao palco da CPAC (Conferência de Ação Política Conservadora) junto com políticos de direita da Austrália, Coreia do Sul e Japão.

No debate, elogiou uma das principais bandeiras do governo Donald Trump, defendendo que o direito de manter e portar armas de fogo esteja na Constituição brasileira, assim como acontece nos Estados Unidos.

"Somos contra o controle de armas, queria que tivéssemos uma Segunda Emenda no meu país. Chegaremos lá", disse o deputado federal em referência à emenda constitucional americana que dá aos cidadãos o direito de portar e manter armas de fogo.
Imagem
Imagem

Avatar do usuário
E.R
Membro
Membro
Mensagens: 88200
Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 5436 vezes
Curtiram: 1948 vezes

Re: Venda de armas no Brasil

Mensagem por E.R » 07 Mar 2020, 06:27

https://economia.uol.com.br/noticias/re ... taurus.htm

Uma das promessas do presidente Jair Bolsonaro em sua campanha eleitoral de 2018 foi a flexibilização das regras para compra e venda de armas.

Atualmente, Projeto de Lei enviado pelo governo ao Congresso propõe mudanças no Estatuto do Desarmamento.

Aprovado pela Câmara em novembro do ano passado, ele agora está em discussão no Senado.

O presidente da Taurus, maior fabricante de armas leves do Brasil, Salesio Nuhs não vê necessidade de mudanças na atual legislação brasileira de compra e porte de armas, que ele considera não ser "restritiva". Ele só considera que o processo ainda está muito lento e demora até oito meses para alguém comprar uma arma.

"O processo ainda é muito lento, porque houve uma procura muito grande [por armas], e os órgãos, tanto da Polícia Federal quanto do Exército, não se equiparam, não se atualizaram para atender essa demanda. O processo de compras de armas demora hoje oito meses para acontecer".

"A Taurus tem uma participação de quase 100% no mercado nacional de armas. São poucas as importações [de armas], apesar de o mercado já estar aberto há um bom tempo. O mercado civil brasileiro é pequeno. Não justifica nenhuma concorrente nossa investir aqui no Brasil".

"A arma da Taurus tem o melhor custo-benefício. Tem um preço muito acessível. Nenhuma empresa consegue vender aqui no Brasil pelo preço da Taurus".
Imagem
Imagem

Avatar do usuário
E.R
Membro
Membro
Mensagens: 88200
Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 5436 vezes
Curtiram: 1948 vezes

Re: Venda de armas no Brasil

Mensagem por E.R » 10 Mar 2020, 03:12

https://br.sputniknews.com/defesa/20200 ... tra-sipri/

As transferências internacionais de armamentos entre 2015 e 2019 cresceram 5,5% em relação ao período de 2010-2014, informou o Instituto Internacional de Estudos para a Paz de Estocolmo (SIPRI, na sigla em inglês).

Os maiores exportadores de armas do mundo foram Estados Unidos, Rússia, França, Alemanha e China.

Os dados apontam o Brasil como o maior importador de armas da América do Sul, respondendo por 31% do total de armas importadas pela região.

Os principais fornecedores do Brasil no período foram : Estados Unidos, França, Itália, Reino Unido e Israel, revelam os dados do SIPRI.

O SIPRI é um centro de estudos estratégicos dedicado a pesquisa sobre conflitos, controle e comércio de armas.

Fundado em 1966, na Suécia, o SIPRI é considerado um dos principais institutos de pesquisa do mundo.
Imagem
Imagem

Avatar do usuário
E.R
Membro
Membro
Mensagens: 88200
Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 5436 vezes
Curtiram: 1948 vezes

Re: Venda de armas no Brasil

Mensagem por E.R » 09 Mai 2020, 02:23

https://exame.abril.com.br/negocios/tau ... os-unidos/

A fabricante de armamentos Taurus transferiu uma das suas linhas de produção de São Leopoldo, no Rio Grande do Sul, para a recém inaugurada fábrica de Bainbridge, no estado da Georgia, Estados Unidos.

O objetivo da empresa Taurus é aproveitar a alta do mercado americano de armamentos, o maior do mundo, e evitar a alta carga de impostos brasileira.

A mudança não gera demissões no Brasil, de acordo com a companhia.

Foi transferida a linha de produção da pistola 9mm TS9 Striker, desenvolvida para uso policial e militar. A operação aumentará a capacidade da fábrica americana em 50 mil armas por ano.

Até agosto, a Taurus pretende transferir outra linha de produção, a da pistola G2C, também de 9mm, a mais vendida da empresa, voltada para o uso civil e desenvolvida para o porte escondido.

Neste caso, a expectativa é produzir 400 mil armas por ano, em dois turnos.

Segundo a companhia, as armas importadas, quando adquiridas por entidades públicas brasileiras, como as polícias, são isentas de impostos.

Salesio Nuhs, presidente da Taurus, afirma que é mais barato trazer as armas da fábrica da Geórgia do que produzir em São Leopoldo.

De qualquer forma, a companhia ressalta que seguirá fabricando mais de 4 mil armas por dia no Brasil.

No ano passado, a Taurus produziu mais de 1 milhão de armas, ou cerca de 5.000 por dia.

A nova fábrica americana dobrou a capacidade da empresa. A unidade foi construída com apoio do governo da Georgia, que concedeu incentivos fiscais.
Imagem
Imagem

Victor235
Membro
Membro
Mensagens: 38447
Registrado em: 04 Dez 2011, 22:00
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Palmeiras
Curtiu: 3639 vezes
Curtiram: 3083 vezes

Venda de armas no Brasil

Mensagem por Victor235 » 01 Jun 2020, 14:25

"Sobre políticas de flexibilização de posse e porte de armas, são medidas que podem ser legitimamente discutidas, mas não se pode pretender, como desejava o Presidente, que sejam utilizadas para promover espécie de rebelião armada contra medidas sanitárias impostas por Governadores e Prefeitos, nem sendo igualmente recomendável que mecanismos de controle e rastreamento do uso dessas armas e munições sejam simplesmente revogados, já que há risco de desvio do armamento destinado à proteção do cidadão comum para beneficiar criminosos. A revogação pura e simples desses mecanismos de controle não é medida responsável"

Sergio Fernando Moro
"Se aproveitaram da minha astúcia" - VELOSO, Caetano

Avatar do usuário
Phoebe Buffay
Membro
Membro
Mensagens: 7936
Registrado em: 13 Nov 2012, 23:45
Programa CH: Chespirito
Localização: Casa nº 21
Curtiu: 19 vezes
Curtiram: 689 vezes

Venda de armas no Brasil

Mensagem por Phoebe Buffay » 01 Jun 2020, 22:15

O marreco falando o óbvio.
Imagem

Avatar do usuário
E.R
Membro
Membro
Mensagens: 88200
Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 5436 vezes
Curtiram: 1948 vezes

Venda de armas no Brasil

Mensagem por E.R » 23 Jun 2020, 04:59

NOTÍCIAS
O ESTADO DE S.PAULO

Empresários de armas e munições têm presença assídua nos gabinetes do governo federal.

As pastas da Casa Civil, da Defesa, da Justiça e das Relações Exteriores abriram espaços em suas agendas oficiais, entre janeiro de 2019 a abril deste ano, para 73 audiências e reuniões com representantes do setor.

As entradas e saídas de advogados e empresários nos palácios e ministérios resultaram numa flexibilização no controle da produção de revólver, fuzis e projéteis.

Pelo menos 16 desses encontros de lobby registrados ocorreram em semanas em que o governo publicou portarias e decretos para atender demandas dos representantes das empresas.

O mais assíduo deles é Rafael Mendes de Queiroz, da Taurus e da Companhia Brasileira de Cartuchos (CBC).

Rafael Mendes é filho do tenente José Ronaldo de Queiroz, que atuou na Diretoria de Fiscalização de Produtos Controlados do Exército, setor responsável pelo setor de armamentos e munições, entre 2007 e 2017.

Outro lobista assíduo em Brasília é Hugo de Paula, representante da CZ Armas, uma empresa da República Tcheca.

Franco Giaffone, presidente da Glock no Brasil, também participou de reuniões.

A Glock é uma fabricante austríaca de armas defendida nas redes sociais pelo deputado Eduardo Bolsonaro (Republicanos), filho do presidente.

Ao Estadão, técnicos da Justiça relataram que os representantes do setor chegaram ao governo por intermédio de Eduardo Bolsonaro e do ex-chefe da Casa Civil e atual titular da Cidadania, Ônix Lorenzoni.

Alberto M. Cidade, da Avibras, que esteve lá em pelo menos cinco ocasiões. As visitas levaram pelo menos uma hora. Mas, em alguns casos, duraram um dia inteiro, geralmente quando precedidas por publicações de nova normas.

Até agora, as facilitações e flexibilizações beneficiam tanto as estrangeiras quanto as nacionais.

As estrangeiras tiveram benefício da venda facilitadas para grandes compradores, como polícias (que antes precisavam de uma autorização especial do Exército), mas também pelo aumento da potência e novos calibres liberados para civis.

Atualmente, até mesmo fuzis são importados e vendidos com registro.

Por meio de nota, a Taurus destacou que todas as ações da firma “perante órgãos governamentais são orientadas para fortalecimento da base industrial de defesa”.

Sobre a visita à Índia, disse que o presidente da empresa participou da viagem para “celebrar” uma joint venture com a indiana Jindal.

O Ministério da Defesa disse que os assuntos tratados nos encontros “são relativos à Base Industrial de Defesa do Brasil e fazem parte das competências legais da Secretaria de Produtos de Defesa.”
Imagem
Imagem

Avatar do usuário
E.R
Membro
Membro
Mensagens: 88200
Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 5436 vezes
Curtiram: 1948 vezes

Venda de armas no Brasil

Mensagem por E.R » 29 Jun 2020, 16:40

NOTÍCIAS
https://exame.com/negocios/taurus-facil ... ispararem/

A Taurus, maior fabricante de armas brasileira, vive um “momento mágico”.

Essa é a expressão utilizada pelo presidente da Taurus, Salesio Nuhs, ao descrever os resultados do primeiro trimestre de 2020, apresentados hoje.

Uma combinação de fatores, nos Estados Unidos e no Brasil, fez disparar as vendas da companhia, que produziu mais de 260 mil armas nos primeiros três meses do ano.

No Brasil, o faturamento aumentou 52%.

O resultado foi puxado pela venda para os chamados CACs, colecionadores, atiradores e caçadores, que possuem uma licença especial do Exército.

A demanda aumentou devido à liberação de compra de uma série de calibres, antes restritos, como o 9mm e o 357. “Temos uma grande variedade de produtos e, boa parte deles, não podíamos vender no Brasil”, afirma.

A facilidade em receber a permissão para ter a posse de uma arma também está ajudando a companhia no mercado interno. Segundo Salesio Nuhs, a liberação da documentação, atualmente, se dá de maneira rápida. “As políticas dos governos anteriores eram de maior restrição à venda de armas”, diz o Executivo. “Hoje, se a pessoa cumpre os requisitos, vai receber a autorização de posse”.

Nos Estados Unidos, a proximidade das eleições vem impulsionando os negócios da Taurus. “Historicamente, é uma época sempre boa para o mercado de armas”, diz. “O americano costuma antecipar suas compras, com receio das mudanças de governo”.

A empresa está reformulando a sua operação americana, após inaugurar uma nova fábrica, na Georgia.

Se nos Estados Unidos o aumento da demanda pode ser passageiro, Salesio Nuhs acredita que, no Brasil, o efeito será prolongado. “O consumidor brasileiro se assemelha ao americano, sempre em busca de novidades”, afirma. “Por isso adotamos uma estratégia com grande volume de lançamentos. Metade do nosso faturamento vem de produtos novos”.

No último mês, o ritmo diário de produção subiu de 750 para 1.500 armas por dia, nos Estados Unidos, e de 3.500 para 5.000 armas por dia no Brasil. “Não fazemos estoque. Tudo que é produzido, é vendido”, afirma o presidente.

Por ser considerada uma empresa estratégica de defesa, a Taurus não sofreu restrições em sua fábrica por conta do coronavírus.

A receita operacional líquida da companhia no período foi de 298 milhões de reais, alta de 18,3% em comparação ao mesmo trimestre do ano passado.

O EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) chegou a 45 milhões de reais, um recorde histórico. A alta do dólar, no entanto, impactou no resultado líquido, que ficou negativo em 157 milhões.
Imagem
Imagem

Victor235
Membro
Membro
Mensagens: 38447
Registrado em: 04 Dez 2011, 22:00
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Palmeiras
Curtiu: 3639 vezes
Curtiram: 3083 vezes

Venda de armas no Brasil

Mensagem por Victor235 » 30 Jul 2020, 21:08

Taurus é proibida de fornecer armas para SP por dois anos
A marca Taurus está proibida de fornecer armas para o Estado de São Paulo por pelo menos dois anos. A Consultoria Jurídica da Polícia Militar (PM) determinou a suspensão da fabricante após uma batalha judicial que corre desde 2016. A decisão foi publicada no Diário Oficial do Estado no último sábado. A Polícia Militar afirma ter constatado falhas em pistolas da Taurus entre os anos de 2007 e 2011. Além da suspensão, a empresa deve pagar multa de quase R$ 12,7 milhões, que corresponde a 20% do valor do armamento, que apresentou problemas.
O assunto chegou a pautar sessões na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp). O deputado estadual delegado Olim (PP) comemorou a decisão. A Taurus alega que as provas do processo são arbitrárias “como uma pretensa perícia técnica comprovadamente nula” e que a garantia do armamento foi cumprida quando necessário. Na decisão, a PM destacou o relatório do Instituto de Pesquisas Tecnológicas, que apontou falha entre 87% e 95% do total de um dos modelos de pistola utilizados pela corporação. A empresa vai recorrer da decisão.
https://jovempan.com.br/programas/jorna ... as-sp.html
"Se aproveitaram da minha astúcia" - VELOSO, Caetano

Victor235
Membro
Membro
Mensagens: 38447
Registrado em: 04 Dez 2011, 22:00
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Palmeiras
Curtiu: 3639 vezes
Curtiram: 3083 vezes

Venda de armas no Brasil

Mensagem por Victor235 » 06 Ago 2020, 20:45

José Renato Nalini, artigo de 2018: Armas? Estou fora!
"Nada menos do que 68 projetos tramitam pelo Parlamento Brasileiro para revogar ou flexibilizar o chamado Estatuto do Desarmamento. Prova evidente de que ao contrário do discurso da paz, o que se pretende é intensificar o uso de armas de fogo que, na verdade, significam Morte!"
"Inacreditável que em pleno século 21 da era cristã, com os avanços científicos e tecnológicos disponíveis, não se consiga algo que não mate, embora possa servir ao sistema policial para neutralizar os infratores ou aqueles que ameaçam a incolumidade do próximo".
"Sei que o discurso é também nutrido pela indústria bélica. O Brasil pacifista é um grande fornecedor de armas para as nações fratricidas. Esse dinheiro faria falta à balança comercial. Mas por que não programar tal indústria para algo benéfico à sociedade? O mundo precisa de tranquilidade, de harmonia, de convívio saudável, de fraternidade. Não de guerra, de violência, de irmão matando irmão".
"É mais do que notório que o acesso livre à arma de fogo excita o violento, faz com que ele se torne intimorato, mais corajoso e até pronto a bravatas. Como serão resolvidas as questões de trânsito quando todos os motoristas tiverem sua arma ao alcance das mãos para revidar as “fechadas”, as “barbeiragens”, os “passa-moleques” que a falta de educação prodigaliza num caos cada vez mais intolerável? O que será dos bares, das discussões dos bêbados, da valentia estimulada pelo álcool, quando o alcoolizado puder se servir de uma pistola que porte consigo? E as questões familiares? A maior parte da violência perpetrada contra mulher ocorre no âmbito doméstico. Se o indivíduo está armado, o uso dessa máquina nefasta é certo".
"Os Estados Unidos deveriam nos servir de exemplo. Ali, com frequência melancólica, indivíduos com alguma patologia, mas nem sempre antes detectada, pois pareciam pessoas normais, matam por atacado em escolas, igrejas, shows e outras aglomerações. Por que isso? Porque ali se adquire arma pela internet. Ainda há pouco, veiculou-se pelas redes a emoção de uma criança, menina de dez anos, aproximadamente, ao ganhar sua arma de fogo".
https://www.jundiaqui.com.br/opiniao/armas-estou-fora/
"Se aproveitaram da minha astúcia" - VELOSO, Caetano

Responder