Fórum Portal Vídeos Guia de Episódios Sobre



Todos os horários são GMT - 3 horas


Portal Chespirito



Criar novo tópico Responder  [ 1263 mensagens ]  Ir para página Anterior  1 ... 55, 56, 57, 58, 59, 60, 61 ... 85  Próximo
  Exibir página para impressão

Re: PT • Tópico sobre o Partido dos Trabalhadores
Autor Mensagem
MensagemEnviado: 27 Nov 2017, 02:51 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Mensagens: 72057
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 4392 vezes
Foi curtido: 1074 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
http://painel.blogfolha.uol.com.br/2017/11/27/simpatia-de-jovens-por-bolsonaro-preocupa-pt-sem-lula-eleitores-migram-para-o-deputado/

A simpatia dos jovens por Jair Bolsonaro tornou-se motivo de preocupação para o PT, que agora traça estratégias para minar o potencial do rival nessa fatia do eleitorado.

A sigla identificou que, sem Lula na disputa pelo Planalto, parte dos jovens que o apoia migra para o deputado.

Embora não faça sentido para os que ainda se aventuram na análise partidária/ideológica tradicional, o movimento, para o partido do ex-presidente, é prova do descolamento entre a sociedade e a política.

Em análises internas, petistas avaliam que entidades como a UNE, que antes faziam a ponte da legenda com os estudantes, perderam representatividade em parcela expressiva da juventude.

Para tentar reverter esse fenômeno, o partido tenta se reconectar a diretórios estudantis — onde o PSOL passou a ter forte presença.


--

https://www.oantagonista.com/brasil/o-tamanho-desastre-de-lula/

Os investigadores da Lava Jato em Curitiba, envolvidos no acordo de delação do grupo Andrade Gutierrez, também suspeitam de que a fusão e compra da Brasil Telecom pela Telemar em 2008 teve irregularidades e que o investimento público teve suborno como contrapartida.

“Para que o negócio desse certo, o Banco do Brasil e o BNDES tiveram de investir R$ 6,8 bilhões na nova empresa de telefonia, a Oi, criada na segunda gestão de Lula à frente da Presidência. O argumento de Lula para justificar o investimento é de que o país precisava de uma empresa de telecomunicações de porte, uma ‘supertele’, para fazer frente aos grupos estrangeiros. A dívida da Oi, de R$ 63,9 bilhões, revela o tamanho do desastre que foi a fusão dessas duas empresas.”

_________________
Imagem
Imagem


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: PT • Tópico sobre o Partido dos Trabalhadores
MensagemEnviado: 28 Nov 2017, 15:56 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 05 Mar 2012, 19:39
Mensagens: 9565
Localização: TARDIS
Curtiu: 251 vezes
Foi curtido: 640 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Santos
O problema desses "diretórios estudantis", é que não percebem ou não querem aceitar que são massa de manobra. Já foi-se o tempo em que esse movimentos defendiam direitos estudantis. Aquelas ocupações foram a gota da água, alguns nem sabiam porque estavam lá e seguiram.

_________________
Hyuri Augusto:
Membro do Fórum Chaves desde o dia 05 de Março de 2012 (6 anos)
Moderador Global do Fórum Chaves
(Novembro de 2016 - Novembro de 2017)

Organizador da edição de 2016/Início de 2017 do jogo "De que Episódio é essa foto?"
3ª Entrevistador do projeto "Entrevista da Semana"
Idealizador da 2ª Versão do Concurso de Piadas
Usuário do Mês de Fevereiro e Maio de 2016
Atualmente idealiza o "O Céu é o Limite - Fórum Chaves


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: PT • Tópico sobre o Partido dos Trabalhadores
MensagemEnviado: 30 Nov 2017, 19:07 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 04 Dez 2011, 22:00
Mensagens: 27504
Curtiu: 2456 vezes
Foi curtido: 1558 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Palmeiras
PT teme ligação com Cabral e Garotinho em caravana de Lula no RJ
Dirigentes do PT receiam lembrança de que partido participou ativamente das gestões dos ex-governadores e de Luiz Fernando Pezão

Por Estadão Conteúdo
30 nov 2017, 11h57

Imagem
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-governador do Rio Sérgio Cabral (Reprodução/Reprodução)

Em conversas reservadas, dirigentes do PT dizem que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) deveria cancelar viagem programada para o Rio de Janeiro, em dezembro. Eles querem evitar que seu nome seja associado aos dos
ex-governadores do Rio Sérgio Cabral (PMDB) e Anthony Garotinho (PR), ambos presos por suspeitas de corrupção.

Lula deve visitar as obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), um dos principais focos de corrupção na Petrobras investigados pela Operação Lava Jato, na caravana pelos estados do Espírito Santo e Rio, prevista para acontecer entre os dias 4 e 8 de dezembro.

Petistas alertam ainda para o risco de atrelamento da imagem do ex-presidente ao governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), que enfrenta uma crise financeira e administrativa sem precedentes na história do Estado. O PT apoiou e participou dos três governos. Um dirigente classificou a manutenção da caravana como “uma burrada sem tamanho”.

O coordenador do evento, Márcio Macedo, um dos vice-presidentes do PT, nega que a direção partidária tenha cogitado desistir da viagem. “Vamos mostrar que, nos governos Lula e Dilma, o Rio viveu seus tempos áureos”, disse o dirigente.

De acordo com Macedo, a visita ao Comperj tem como objetivo denunciar o abandono da obra em função da Lava Jato. “A obra tem de ser retomada”, conclui.

Anunciado em 2008 na esteira de euforia da descoberta do pré-sal como a mais ousada obra da Petrobrás e uma das maiores do país, o Comperj tinha previsão inicial de custo de 8 bilhões de dólares e geração de 200.000 empregos. Passados nove anos, os canteiros estão abandonados, 27 000 pessoas ficaram desempregadas, e o Tribunal de Contas da União (TCU) estima prejuízos de 544 milhões de reais em função da corrupção.

‘Legado’

Na viagem, marcada desde maio, Lula pretende visitar dez cidades em quatro dias. É a terceira caravana do petista neste ano. As primeiras foram pelo Nordeste e Minas.

O ex-presidente passará por universidades que tiveram investimentos nos governos petistas, obras gestadas nas administrações do partido e beneficiários de programas sociais, mas a maioria dos eventos é de caráter popular. “Esta é uma agenda de Lula com o povo”, disse Macedo.

No Rio, o petista vai se reunir com intelectuais e participar de um ato em defesa da educação na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), que atravessa grave crise financeira.

Segundo o coordenador da caravana, o ex-presidente vai destacar o legado dos governos petistas, em especial a Copa do Mundo de 2014 e a Olimpíada de 2016, e comparar com o que chama de paralisia do governo Michel Temer (PMDB).

Ao contrário de outras caravanas, quando Lula se encontrou até com integrantes de partidos que votaram pelo impeachment de Dilma, não estão previstos encontros com políticos de outras legendas.

Lava Jato

Cabral, sua mulher, a advogada Adriana Anselmo, e outras cinco pessoas entraram na mira da Lava Jato por conta das obras do Comperj. Delatores da empreiteira Andrade Gutierrez disseram que pagavam mesada, que somou 2,7 milhões de reais ao ex-governador.

O próprio ex-presidente é alvo da operação e foi condenado pelo juiz Sergio Moro a nove anos e seis meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá (SP).
VEJA / ESTADÃO CONTEÚDO


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: PT • Tópico sobre o Partido dos Trabalhadores
MensagemEnviado: 07 Dez 2017, 00:48 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Mensagens: 72057
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 4392 vezes
Foi curtido: 1074 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
http://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/stj-torna-reu-fernando-pimentel-por-corrupcao-e-lavagem-de-dinheiro/

Imagem

Em votação unânime, a Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) recebeu denúncia contra o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), no âmbito da Operação Acrônimo, pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, em suposto esquema de favorecimento da Odebrecht em troca de vantagens indevidas, no âmbito do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), quando era o ministro da pasta.

_________________
Imagem
Imagem


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: PT • Tópico sobre o Partido dos Trabalhadores
MensagemEnviado: 08 Dez 2017, 05:11 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Mensagens: 72057
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 4392 vezes
Foi curtido: 1074 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
VEJA
Imagem

Em 2009, Lula era presidente do Brasil pela segunda vez e o ditador Muamar Kadafi ainda comandaria a Líbia por mais dois anos, antes de ser deposto, capturado e executado. Não é uma cena protocolar, como se observa no aperto de mão informal. A fotografia retrata dois líderes que se diziam “irmãos”.

Durante 42 anos, Kadafi governou a Líbia seguindo o protocolo dos tiranos. Coronel do Exército, ele liderou um golpe em 1969. No poder, censurou a imprensa, reprimiu adversários e impôs leis que permitiram punições coletivas, prisão perpétua, tortura e morte a quem contrariasse o regime.

Dinheiro líbio também financiou grupos terroristas e movimentos políticos em vários cantos do planeta.

Entre os que receberam recursos da ditadura líbia estavam, de acordo com o ex-minis­tro Antonio Palocci, o PT e seu líder máximo, o ex-presidente Lula.

_________________
Imagem
Imagem


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: PT • Tópico sobre o Partido dos Trabalhadores
MensagemEnviado: 09 Dez 2017, 00:52 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Mensagens: 72057
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 4392 vezes
Foi curtido: 1074 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
https://www.oantagonista.com/brasil/exclusivo-lava-jato-no-rastro-dinheiro-de-dirceu-ate-espanha/

O Antagonista mostrou que Gerson Almada (ex-Engevix) contou à Lava Jato que Milton Pascowitch teria viajado à Espanha para gerir supostas contas de Lula e José Dirceu.

Os investigadores já têm uma pista do dinheiro de José Dirceu em terras espanholas.

Relatório da PF sobre transações bancárias da JD Consultoria mostra que mais de um terço dos valores de suas “consultorias” para a EMS foi repassado das contas da JD Consultoria para as da Manzolli Consultoria, de Luiz Carlos Rocha Gaspar, velho amigo dos tempos da guerrilha.

A EMS foi a maior fonte pagadora da consultoria de José Dirceu, tendo repassado R$ 7,8 milhões ao ex-ministro entre 2009 e 2014.

Gaspar não mora no Brasil há alguns anos. Ele teve residência em Portugal e depois se estabeleceu na Espanha, residindo em Valência, mas com fazendas de gado em Toledo.

Pelo menos duas propriedades custaram mais de 3 milhões de euros.

Gaspar também tem negócios no setor de energia renovável, tendo se associado ao empresário Palmiro José Soriano Frasquet.

Aparentemente, as empresas de Gaspar não têm atividade.

_________________
Imagem
Imagem


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: PT • Tópico sobre o Partido dos Trabalhadores
MensagemEnviado: 09 Dez 2017, 00:56 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Mensagens: 72057
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 4392 vezes
Foi curtido: 1074 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
https://veja.abril.com.br/revista-veja/dentro-do-bolso-do-ditador/

Durante 42 anos, Kadafi governou a Líbia seguindo o protocolo dos tiranos. Coronel do Exército, ele liderou um golpe em 1969. No poder, censurou a imprensa, reprimiu adversários e impôs leis que permitiram punições coletivas, prisão perpétua, tortura e morte a quem contrariasse o regime. Dinheiro líbio também financiou grupos terroristas e movimentos políticos em vários cantos do planeta. Entre os que receberam recursos da ditadura líbia estavam, de acordo com o ex-minis­tro Antonio Palocci, o PT e seu líder máximo, o ex-presidente Lula.

A revelação de Palocci está contida na sua proposta de delação entregue ao Ministério Público. Segundo ele, em 2002 Kadafi enviou secretamente ao Brasil 1 milhão de dólares para financiar a campanha eleitoral do então candidato Lula. Fundador do PT, ex-­prefeito de Ribeirão Preto, ex-ministro da Fazenda do governo Lula e ex-­chefe da Casa Civil de Dilma Rousseff, Palocci esteve no centro das mais importantes decisões do partido nas últimas duas décadas. Condenado a doze anos por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, há sete meses ele negocia um acordo de delação premiada. Em troca de redução de pena, compromete-se a contar detalhes de mais de uma dezena de crimes dos quais participou. Um dos capítulos da colaboração trata das relações financeiras entre Lula e o ditador líbio — e tem potencial para fulminar o partido e o próprio ex-presi­dente.

Em sua proposta de delação, Palocci conta que, em 2002, recebeu uma missão: Kadafi disponibilizara 1 milhão de dólares, o equivalente a 4 milhões de reais na época, para apoiar a campanha de Lula. Cabia a ele, homem de confiança do candidato e também responsável informal pelas finanças do partido, cuidar da “internalização” do dinheiro. Em outras palavras, o ex-­ministro foi incumbido de encontrar um jeito de colocar o dinheiro dentro do Brasil sem chamar a atenção das autoridades nem deixar rastros de sua origem. Nos relatos entregues aos investigadores, os chamados “anexos”, o ex-ministro afirma que cumpriu a missão e promete exibir comprovantes da operação. Palocci pretende revelar os detalhes da transação — quem deu a ordem, quem intermediou, como o dinheiro chegou ao Brasil e de que forma ele foi utilizado — caso o acordo de colaboração seja assinado. É uma acusação tão grave que, se Palocci conseguir provar o que promete contar, o PT pode perder o direito de existir como partido.

A legislação brasileira diz que nem partidos nem candidatos podem receber recursos de “procedência estrangeira” — seja um cidadão, uma empresa ou um governo. A punição é o cancelamento do registro do partido. Diz Carlos Ayres Britto, ex-ministro do Supremo Tribunal Federal e ex-presi­dente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), falando sem conhecimento do caso específico: “É uma questão de soberania nacional. Quando o partido recebe recursos do exterior, essa soberania fica precarizada. Por isso é que o partido sofre a sanção mais gravosa, que é a perda do registro”.

O PT, aliás, já é alvo de um pedido de cassação de registro por receber dinheiro do exterior. Em delação premiada, o ex-diretor da área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró disse que, em 2005, a Sonangol, estatal petrolífera de Angola, fez uma oferta de blocos de petróleo. A Petrobras pagou 300 milhões de dólares para explorar os campos, e parte do dinheiro, o equivalente a 40 milhões de reais, teria retornado ao Brasil para financiar a campanha de Lula à reeleição. Diante dessa revelação, o PSDB pediu a cassação do registro do PT. O caso, em fase inicial, ainda tramita no TSE.

Uma eventual punição ao PT pelo recebimento de dinheiro de Kadafi há quinze anos não tem como retroagir para mudar os desdobramentos de eleições passadas, mas pode provocar reviravoltas na eleição de 2018 — pois o crime de embolsar dinheiro de “procedência estrangeira” não tem prescrição definida. Especialistas ouvidos por VEJA ressaltam que, caso a operação seja comprovada, o registro do PT pode ser cassado. Um processo como esse, porém, poderia se estender por um longo período, porque demandaria produção de provas no exterior. Num primeiro cenário hipotético, se até meados de 2018 Palocci conseguir provar a interferência dos dólares líbios, a Justiça Eleitoral poderia concluir o processo em plena campanha. Isso significa que todos os petistas inscritos para concorrer em 2018 também teriam seu registro automaticamente anulado. “A eventual cassação de registro de um partido político a partir do sexto mês do ano da eleição inviabilizaria todas as candidaturas desse partido por falta de filiação partidária”, explica o ex-ministro do TSE Henrique Neves, falando em tese, sem conhecimento do caso em questão.

O segundo cenário, na avaliação do ex-ministro, ocorreria se a cassação do registro do partido se desse após a eleição. Nessa situação, os candidatos eleitos não perderiam o mandato e poderiam migrar para outras legendas. Líder nas pesquisas, o ex-­presidente não seria alcançado pela Justiça Eleitoral, mas não ficaria livre do fantasma de Kadafi. Dependendo do que Palocci revelar nos depoimentos, Lula pode responder a novos processos na Justiça comum, onde já foi condenado a nove anos de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro e é investigado em outros doze casos por corrupção, lavagem de dinheiro, tráfico de influência e organização criminosa.

Na realidade, os problemas de Lula com a delação de Palocci vão além do milhão do ditador. Em outro trecho de sua proposta de delação, Palocci narra o que ele descreve como ações de Lula para favorecer a Odebrecht e outras empreiteiras do petrolão. Em seus dois mandatos, Lula esteve com Kadafi pelo menos quatro vezes. Em 2009, foi à Líbia, ocasião em que saudou o ditador como “meu amigo, meu irmão e líder”. Palocci pretende contar o que sabe sobre o resultado desses encontros.

A partir de 2007, empreiteiras do petrolão instalaram-se na Líbia para tocar obras de infraestrutura. Só a Odebrecht tinha contratos de mais de 1,4 bilhão de dólares. “A Líbia tem grande potencial de geração de novos contratos e de investimentos”, festejou Marcelo Odebrecht, depois de uma visita às obras da companhia em Trípoli, em 2009. Na época, a empreiteira empregava 5 000 trabalhadores, que atuavam na construção do Terceiro Anel Rodoviário e dos novos terminais de passageiros do aeroporto da capital líbia. O dinheiro que a Odebrecht acabou repassando a Lula, segundo Palocci, era, em parte, uma retribuição à ajuda do ex-presidente para abrir o mercado líbio à empreiteira.

Em setembro, durante depoimento ao juiz Sergio Moro, Palocci assombrou o petismo ao revelar que houve “um pacto de sangue” entre Lula e a Odebrecht. Segundo ele, pouco antes de deixar o governo, em 2010, Lula acertou com o empresário Emílio Odebrecht um pacote de aposentadoria, segundo o qual teria à sua disposição um fundo de 300 milhões de reais, receberia uma remuneração regular disfarçada em forma de palestras e teria agrados pontuais, como a reforma de seu sítio em Atibaia. Em setembro, VEJA publicou uma parte inédita do cardápio oferecido pelo ex-­ministro aos investigadores da Lava-­Jato. Nele, Palocci garante que Lula sabia dos esquemas ilegais e construiu um belo patrimônio pessoal com dinheiro de corrupção. O ex-presidente, segundo ele, orientava como o dinheiro desviado da Petrobras deveria ser usado pelo PT — e reservava um quinhão para si. O ex-ministro afirma que levava pessoalmente maços de 30 000, 40 000, 50 000 reais para o ex-presidente.

Logo depois dessas revelações, Palocci divulgou uma carta na qual solicitava seu desligamento do PT: “Sei dos erros e ilegalidades que cometi e assumo minhas responsabilidades. Mas não posso deixar de destacar o choque de ter visto Lula sucumbir ao pior da política no melhor dos momentos de seu governo”, escreveu. Preso há catorze meses, Palocci aguarda o sinal verde dos procuradores da República para definir o seu futuro — e também o de Lula e do PT.

_________________
Imagem
Imagem


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: PT • Tópico sobre o Partido dos Trabalhadores
MensagemEnviado: 12 Dez 2017, 19:04 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Mensagens: 72057
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 4392 vezes
Foi curtido: 1074 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2017/12/12/e-muito-medo-dele-na-eleicao-diz-gleisi-sobre-julgamento-de-lula-no-trf-4.htm

Imagem

A presidente nacional do PT, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), classificou como "sanha de perseguição" o fato de TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) ter marcado para o dia 24 de janeiro o julgamento do chamado processo do tríplex, no qual o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

"Inacreditável a sanha de perseguição ao Lula ! É muito medo dele na eleição !", disse Gleisi em postagem em sua conta no Twitter.

Imagem
O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) também se manifestou por meio de sua conta no Twitter, destacando a tramitação "recorde" e classificando-a como perseguição. "É impressionante o tratamento que o TRF tem dado ao presidente Lula ! Com tramitação recorde o julgamento do recurso no caso triplex foi marcado para 24/01. É uma perseguição !", postou.


--

Erika Kokay ‏Conta verificada @erikakokay há 2 horas
Imagem
"Eis que se anuncia o golpe dentro do golpe. Nunca se viu a Justiça atuar com tamanha celeridade num processo.
Rapidez recorde no julgamento confirma intenção de tornar Lula, líder isolado em qualquer cenário, inelegível para a disputa de 2018".

_________________
Imagem
Imagem


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: PT • Tópico sobre o Partido dos Trabalhadores
MensagemEnviado: 12 Dez 2017, 19:10 
Online
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 29 Dez 2015, 14:02
Mensagens: 7858
Localização: Dourados-MS
Curtiu: 982 vezes
Foi curtido: 594 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Santos
Queria que marcassem pra outubro do ano que vem pelo visto.

_________________
JF CHmaníaco
Usuário do Fórum Chaves desde 29 de Dezembro de 2015
Campeão do De Que Episódio é Essa Foto? - Edição 2016
Usuário do Mês de Outubro/2016


mateus oliveira escreveu:
tomara que o episódio da tribo tenha som de marcelo gastaldi por conta da piada do batman


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: PT • Tópico sobre o Partido dos Trabalhadores
MensagemEnviado: 12 Dez 2017, 20:59 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 04 Dez 2011, 22:00
Mensagens: 27504
Curtiu: 2456 vezes
Foi curtido: 1558 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Palmeiras
Marun sugere proibir acordos de delação premiada com acusados presos
Da Redação | 12/12/2017, 16h43 - ATUALIZADO EM 12/12/2017, 18h13

Marcos Oliveira/Agência Senado
Imagem
Deputado Carlos Marun, relator da CPI Mista da JBS e J&F

O relator da CPI mista da JBS, deputado Carlos Marun (PMDB-MS), recém-anunciado como novo ministro da Secretaria de Governo, incorporou em seu relatório sugestões apresentadas pelo deputado Wadih Damous (PT-RJ), um dos sub-relatores. Entre elas está um projeto de lei que modifica as regras as colaborações premiadas. O texto de Damous limita o poder do Ministério Público de oferecer reduções da pena dos colaboradores e proíbe acordos com acusados que estejam presos.

— O que ser quer aqui é inviabilizar futuras delações — afirmou o deputado João Gualberto (PSDB-BA).

O relatório de Damous ataca a atuação do Ministério Público nos processos de delação premiada.

— Constatou-se, por exemplo, que diversos acordos foram firmados com cláusulas claramente ilegais, com oferecimento de benefícios que não possuem qualquer embasamento legal ou constitucional, atuando o Ministério Público Federal como se estivesse acima dos limites estabelecidos pela legislação — afirmou Damous.

Além da regulamentação das delações, ele recomenda a aprovação do projeto do abuso de autoridade (PLS 280/2016). A proposta, que tramita como PL 7596/17 na Câmara, muda as regras relacionadas ao abuso de autoridade que venha a ser cometido por servidores públicos e membros dos três poderes da República, do Ministério Público, dos tribunais e conselhos de contas e das Forças Armadas.
AGÊNCIA SENADO / AGÊNCIA CÂMARA NOTÍCIAS


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: PT • Tópico sobre o Partido dos Trabalhadores
MensagemEnviado: 13 Dez 2017, 08:33 
Offline
Avatar do usuário
Administrador

Registrado em: 28 Jan 2009, 13:29
Mensagens: 38235
Localização: São Carlos (SP)
Curtiu: 1642 vezes
Foi curtido: 3213 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: São Paulo
JF CHmaníaco escreveu:
Queria que marcassem pra outubro do ano que vem pelo visto.

Para outubro de 2050


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: PT • Tópico sobre o Partido dos Trabalhadores
MensagemEnviado: 13 Dez 2017, 09:56 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 13 Nov 2012, 23:45
Mensagens: 5436
Localização: Casa da tia Luisa
Curtiu: 68 vezes
Foi curtido: 475 vezes
Programa CH: Chespirito
Time de Futebol: Jogo do Contente F.C.
E.R escreveu:
https://veja.abril.com.br/revista-veja/dentro-do-bolso-do-ditador/

Durante 42 anos, Kadafi governou a Líbia seguindo o protocolo dos tiranos. Coronel do Exército, ele liderou um golpe em 1969. No poder, censurou a imprensa, reprimiu adversários e impôs leis que permitiram punições coletivas, prisão perpétua, tortura e morte a quem contrariasse o regime. Dinheiro líbio também financiou grupos terroristas e movimentos políticos em vários cantos do planeta. Entre os que receberam recursos da ditadura líbia estavam, de acordo com o ex-minis­tro Antonio Palocci, o PT e seu líder máximo, o ex-presidente Lula.

A revelação de Palocci está contida na sua proposta de delação entregue ao Ministério Público. Segundo ele, em 2002 Kadafi enviou secretamente ao Brasil 1 milhão de dólares para financiar a campanha eleitoral do então candidato Lula. Fundador do PT, ex-­prefeito de Ribeirão Preto, ex-ministro da Fazenda do governo Lula e ex-­chefe da Casa Civil de Dilma Rousseff, Palocci esteve no centro das mais importantes decisões do partido nas últimas duas décadas. Condenado a doze anos por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, há sete meses ele negocia um acordo de delação premiada. Em troca de redução de pena, compromete-se a contar detalhes de mais de uma dezena de crimes dos quais participou. Um dos capítulos da colaboração trata das relações financeiras entre Lula e o ditador líbio — e tem potencial para fulminar o partido e o próprio ex-presi­dente.

Em sua proposta de delação, Palocci conta que, em 2002, recebeu uma missão: Kadafi disponibilizara 1 milhão de dólares, o equivalente a 4 milhões de reais na época, para apoiar a campanha de Lula. Cabia a ele, homem de confiança do candidato e também responsável informal pelas finanças do partido, cuidar da “internalização” do dinheiro. Em outras palavras, o ex-­ministro foi incumbido de encontrar um jeito de colocar o dinheiro dentro do Brasil sem chamar a atenção das autoridades nem deixar rastros de sua origem. Nos relatos entregues aos investigadores, os chamados “anexos”, o ex-ministro afirma que cumpriu a missão e promete exibir comprovantes da operação. Palocci pretende revelar os detalhes da transação — quem deu a ordem, quem intermediou, como o dinheiro chegou ao Brasil e de que forma ele foi utilizado — caso o acordo de colaboração seja assinado. É uma acusação tão grave que, se Palocci conseguir provar o que promete contar, o PT pode perder o direito de existir como partido.

A legislação brasileira diz que nem partidos nem candidatos podem receber recursos de “procedência estrangeira” — seja um cidadão, uma empresa ou um governo. A punição é o cancelamento do registro do partido. Diz Carlos Ayres Britto, ex-ministro do Supremo Tribunal Federal e ex-presi­dente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), falando sem conhecimento do caso específico: “É uma questão de soberania nacional. Quando o partido recebe recursos do exterior, essa soberania fica precarizada. Por isso é que o partido sofre a sanção mais gravosa, que é a perda do registro”.

O PT, aliás, já é alvo de um pedido de cassação de registro por receber dinheiro do exterior. Em delação premiada, o ex-diretor da área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró disse que, em 2005, a Sonangol, estatal petrolífera de Angola, fez uma oferta de blocos de petróleo. A Petrobras pagou 300 milhões de dólares para explorar os campos, e parte do dinheiro, o equivalente a 40 milhões de reais, teria retornado ao Brasil para financiar a campanha de Lula à reeleição. Diante dessa revelação, o PSDB pediu a cassação do registro do PT. O caso, em fase inicial, ainda tramita no TSE.

Uma eventual punição ao PT pelo recebimento de dinheiro de Kadafi há quinze anos não tem como retroagir para mudar os desdobramentos de eleições passadas, mas pode provocar reviravoltas na eleição de 2018 — pois o crime de embolsar dinheiro de “procedência estrangeira” não tem prescrição definida. Especialistas ouvidos por VEJA ressaltam que, caso a operação seja comprovada, o registro do PT pode ser cassado. Um processo como esse, porém, poderia se estender por um longo período, porque demandaria produção de provas no exterior. Num primeiro cenário hipotético, se até meados de 2018 Palocci conseguir provar a interferência dos dólares líbios, a Justiça Eleitoral poderia concluir o processo em plena campanha. Isso significa que todos os petistas inscritos para concorrer em 2018 também teriam seu registro automaticamente anulado. “A eventual cassação de registro de um partido político a partir do sexto mês do ano da eleição inviabilizaria todas as candidaturas desse partido por falta de filiação partidária”, explica o ex-ministro do TSE Henrique Neves, falando em tese, sem conhecimento do caso em questão.

O segundo cenário, na avaliação do ex-ministro, ocorreria se a cassação do registro do partido se desse após a eleição. Nessa situação, os candidatos eleitos não perderiam o mandato e poderiam migrar para outras legendas. Líder nas pesquisas, o ex-­presidente não seria alcançado pela Justiça Eleitoral, mas não ficaria livre do fantasma de Kadafi. Dependendo do que Palocci revelar nos depoimentos, Lula pode responder a novos processos na Justiça comum, onde já foi condenado a nove anos de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro e é investigado em outros doze casos por corrupção, lavagem de dinheiro, tráfico de influência e organização criminosa.

Na realidade, os problemas de Lula com a delação de Palocci vão além do milhão do ditador. Em outro trecho de sua proposta de delação, Palocci narra o que ele descreve como ações de Lula para favorecer a Odebrecht e outras empreiteiras do petrolão. Em seus dois mandatos, Lula esteve com Kadafi pelo menos quatro vezes. Em 2009, foi à Líbia, ocasião em que saudou o ditador como “meu amigo, meu irmão e líder”. Palocci pretende contar o que sabe sobre o resultado desses encontros.

A partir de 2007, empreiteiras do petrolão instalaram-se na Líbia para tocar obras de infraestrutura. Só a Odebrecht tinha contratos de mais de 1,4 bilhão de dólares. “A Líbia tem grande potencial de geração de novos contratos e de investimentos”, festejou Marcelo Odebrecht, depois de uma visita às obras da companhia em Trípoli, em 2009. Na época, a empreiteira empregava 5 000 trabalhadores, que atuavam na construção do Terceiro Anel Rodoviário e dos novos terminais de passageiros do aeroporto da capital líbia. O dinheiro que a Odebrecht acabou repassando a Lula, segundo Palocci, era, em parte, uma retribuição à ajuda do ex-presidente para abrir o mercado líbio à empreiteira.

Em setembro, durante depoimento ao juiz Sergio Moro, Palocci assombrou o petismo ao revelar que houve “um pacto de sangue” entre Lula e a Odebrecht. Segundo ele, pouco antes de deixar o governo, em 2010, Lula acertou com o empresário Emílio Odebrecht um pacote de aposentadoria, segundo o qual teria à sua disposição um fundo de 300 milhões de reais, receberia uma remuneração regular disfarçada em forma de palestras e teria agrados pontuais, como a reforma de seu sítio em Atibaia. Em setembro, VEJA publicou uma parte inédita do cardápio oferecido pelo ex-­ministro aos investigadores da Lava-­Jato. Nele, Palocci garante que Lula sabia dos esquemas ilegais e construiu um belo patrimônio pessoal com dinheiro de corrupção. O ex-presidente, segundo ele, orientava como o dinheiro desviado da Petrobras deveria ser usado pelo PT — e reservava um quinhão para si. O ex-ministro afirma que levava pessoalmente maços de 30 000, 40 000, 50 000 reais para o ex-presidente.

Logo depois dessas revelações, Palocci divulgou uma carta na qual solicitava seu desligamento do PT: “Sei dos erros e ilegalidades que cometi e assumo minhas responsabilidades. Mas não posso deixar de destacar o choque de ter visto Lula sucumbir ao pior da política no melhor dos momentos de seu governo”, escreveu. Preso há catorze meses, Palocci aguarda o sinal verde dos procuradores da República para definir o seu futuro — e também o de Lula e do PT.

Sinceramente, nunca vi tanto chorume na vida.

_________________
Imagem

VAMOS JOGAR O JOGO DO CONTENTE! :)


http://conteudo.imguol.com.br/c/entretenimento/2015/03/30/paulina-bracho-a-gemea-boa-de-a-usurpadora-1427746604702_320x200.jpg


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: PT • Tópico sobre o Partido dos Trabalhadores
MensagemEnviado: 13 Dez 2017, 16:31 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 01 Fev 2009, 19:39
Mensagens: 72057
Localização: Rio de Janeiro (RJ)
Curtiu: 4392 vezes
Foi curtido: 1074 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Flamengo
http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/lula-%E2%80%9Cfico-muito-puto-que-a-classe-politica-nao-reaja%E2%80%9D/

Em seu primeiro pronunciamento após o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) marcar para 24 de janeiro o julgamento de seu recurso contra a condenação imposta pelo juiz Sérgio Moro, o ex-presidente Lula conclamou os políticos brasileiros a reagirem contra a onda de acusações que atinge todos os partidos. “Já desmoralizaram a política, os partidos. Eu fico muito puto que a classe política não reaja. Eu faço minha resistência não é por mim, não. É pelo PT”, disse Lula em reunião com as bancadas do PT da Câmara e do Senado nesta quarta-feira (13).

O petista defendeu que a militância leia o processo contra ele no caso do tríplex, no qual foi condenado a nove anos e seis meses de prisão e que levante a cabeça diante das acusações.

Lula voltou a reafirmar sua inocência e atribuiu os processos contra ele a uma “pactuação diabólica” entre imprensa, Ministério Público e Polícia Federal para impedir a volta do PT ao poder.

_________________
Imagem
Imagem


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: PT • Tópico sobre o Partido dos Trabalhadores
MensagemEnviado: 13 Dez 2017, 20:01 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 04 Dez 2011, 22:00
Mensagens: 27504
Curtiu: 2456 vezes
Foi curtido: 1558 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Palmeiras
Paola Provocadora escreveu:
Sinceramente, nunca vi tanto chorume na vida.
Está enganado. Ainda que Kadafi não fosse um ditador, o simples fato de dinheiro internacional ter sido doado a um partido político, se confirmado, é considerado um crime grave no Brasil. A Lei dos Partidos Políticos e outras legislações de nosso sistema eleitoral e partidário pregam a soberania nacional das legendas e o PT pode até perder seu registro. Claro que o julgamento irá demorar anos e provas serão pedidas, numa investigação envolvendo dois países. Vai tempo até julgarem isso.


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: PT • Tópico sobre o Partido dos Trabalhadores
MensagemEnviado: 13 Dez 2017, 20:04 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 04 Dez 2011, 22:00
Mensagens: 27504
Curtiu: 2456 vezes
Foi curtido: 1558 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Palmeiras
PT já espera queda de 43% das candidaturas em SP
Levantamento interno estima que 99 filiados se colocam para disputar vaga de deputado estadual ou federal em 2018; crise e impeachment motivam recuo no Estado.
Para contornar o problema, Lula convocou os movimentos ligados ao partido a lançar o máximo de candidatos. Um deles é Vagner Freitas, presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), que vai disputar uma eleição pela primeira vez em 2018. Segundo o sindicalista, a CUT tem como meta lançar candidatos em todos as 27 unidades da Federação. “A direção e o Lula estão pedindo e estamos nos esforçando para atender. A representação dos trabalhadores está desnivelada. Temos hoje uns cem deputados contra 400 dos empresários”, disse Vagner.
De acordo com o deputado Carlos Zarattini (SP), um dos atrativos é convencer possíveis candidatos a prefeito nas eleições de 2020 a se colocar como candidatos a deputado agora para ganhar visibilidade. “Quem quiser ser candidato a prefeito pode sair agora, mesmo que não se eleja”, disse o deputado.
http://politica.estadao.com.br/noticias ... 0002116597


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Exibir mensagens anteriores:  Ordenar por  
Criar novo tópico Responder  [ 1263 mensagens ]  Ir para página Anterior  1 ... 55, 56, 57, 58, 59, 60, 61 ... 85  Próximo

Todos os horários são GMT - 3 horas


Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 2 visitantes


Enviar mensagens: Proibido
Responder mensagens: Proibido
Editar mensagens: Proibido
Excluir mensagens: Proibido

Procurar por:
Ir para: