Fórum Portal Vídeos Guia de Episódios Sobre



Todos os horários são GMT - 3 horas


Portal Chespirito



Criar novo tópico Responder  [ 28 mensagens ]  Ir para página 1, 2  Próximo
  Exibir página para impressão

Creepypasta • Tópico para comentar e compartilhar histórias de terror
Autor Mensagem
MensagemEnviado: 30 Dez 2014, 13:13 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 29 Nov 2011, 10:03
Mensagens: 8441
Curtiu: 666 vezes
Foi curtido: 594 vezes
Programa CH: Chapolin
Time de Futebol: gremio
Tópico destinado a comentários e compartilhamento relacionados a creepypastas em geral.

O que é creepypasta?

Creepypasta é um tipo de meme de internet que comumente consiste em pequenas histórias ou relatos partilhados através da Internet com a intenção de assustar ou enervar o leitor. O nome é derivado do cyber termo "copy pasta", que refere-se a um texto que foi copiado e colado por usuários em fóruns de discussão várias vezes. Creepypasta são semelhantes às lendas urbanas, embora uma creepypasta nem sempre tomam a forma de texto escrito ou palavra falada; alguns consistem em imagens supostamente "assustadoras", vídeos ou jogos.

---

Uma de minhas favoritas.

Alguns de vocês já ouviram falar que a Disney é responsável por, pelo menos, uma cidade fantasma de verdade.

A Disney construiu o resort da Ilha do Tesouro nas Bahamas. Não começou como uma cidade fantasma! Os cruzeiros da Disney realmente paravam no resort e deixavam turistas lá pra que relaxassem em luxo.

Isso é FATO. Pode procurar.

A Disney gastou 30.000.000,000 de pratas com o lugar. Sim. Trinta milhões de dólares.

E aí deixaram pra lá.

Puseram a culpa nas águas rasas (rasas demais pros navios operarem com segurança) e até nos funcionários já que, como eram nativos de lá, eram preguiçosos demais pra trabalharem num horário decente.

É aí que os fatos acabam. Não foi por causa da areia, muito menos por que "estrangeiros são preguiçosos". Ambas foram desculpas convenientes. Não, sinceramente, não acredito que essas foram os verdadeiros motivos. Por que não caio na história oficial? Por causa do Palácio Mogli.

Perto da costa da Ilha Esmeralda, na Carolina do Norte, a Disney começara a construir um Palácio Mogli no fim dos anos 90. A ideia era um resort baseado na selva e, no meio da coisa toda, isso mesmo que você pensou, um enorme PALÁCIO.

Se você não está familiarizado com a personagem Mogli, tente lembrar da história do Menino Lobo. Se nunca leu, deve conhecer um desenho famoso da Disney, de décadas atrás, com o mesmo nome.

Mogli é uma criança abandonada na floresta, simplesmente criada por animais ao mesmo tempo que ameaçada/perseguida por eles. O Palácio Mogli foi uma manobra polêmica desde o início. A Disney comprou vários terrenos caríssimos pro projeto e teve realmente um escândalo envolvendo algumas dessas aquisições. O governo local tomou posse "urgente" de várias casas e as vendeu pra Disney. Chegou ao ponto de casas recém construídas serem condenadas sem nenhuma explicação.

Os terrenos tomados pelas autoridades serviriam pra construção de uma estrada fictícia. Tendo plena consciência do que estava havendo, as pessoas começaram a chamá-la de Rodovia Mickey Mouse.

Aí vieram os rascunhos da arte conceitual. Um grupo de almofadinhas da corporação fez uma reunião na cidade. Pretendiam mostrar pra todo mundo o quão lucrativo o projeto seria pra todos. Quando mostraram a arte conceitual, tinha um palácio tribal gigante... cercado de SELVA... cheio de homens e mulheres de tanguinha e apetrechos indígenas... bom, é justo falar que todo mundo surtou. Estavam falando de tribal, selva e tanguinhas no centro de um lugar no Sul dos Estados Unidos que não só era relativamente rico como também xenofóbico. Era uma mistura difícil de engolir praquela época. Um dos presentes tentou espalhar sua revolta, mas foi rapidamente imobilizado pelos seguranças depois de quebrar um dos quadros da apresentação com o joelho.

A Disney pegou aquele bairro e quebrou todo também. Casas foram demolidas, terra foi batida e a população não pôde fazer ou falar porcaria nenhuma. A TV e os jornais foram contra o resort no início, mas alguma conexão insana entra o pessoal da Disney e as mídias locais se fez presente e as opiniões mudaram na hora.

Foi isso aí, Ilha do Tesouro, Bahamas. A Disney enfiou milhões lá e ficou por isso mesmo. Aconteceu de novo o Palácio Mogli.

A construção foi acabada. Visitantes se hospedavam lá. Os arredores encheram de trânsito e de mais todas as perturbações associadas a um fluxo intenso de turistas irritados e perdidos.

E então acabou.

A Disney fechou o resort e ninguém teve nem ideia do que diabos acontecera. Mas todo mundo ficou bem feliz com isso. A perda da Disney foi uma coisa hilária e maravilhosa pra um grande grupo de pessoas que não quiseram aquilo em primeiro lugar.

Sinceramente nunca mais dei bola pra história desde o fechamento do lugar, mais de uma década atrás. Moro a umas quatro horas da Ilha Esmeralda e só ouvi relatos, nunca vivi o que de fato aconteceu.

Até que li um artigo de um cara que explorou a Ilha do Tesouro e montou um blog inteiro com todo tipo de merda que achou lá. Coisas... deixadas pra trás. Quebradas, destruídas e arruinadas pelos empregados revoltados por terem perdido o emprego.

Cacete, provavelmente até os moradores tinham dedo naquela destruição toda. As pessoas ficaram tão putas com a Ilha do Tesouro quanto a galera aqui ficou com o Palácio Mogli. Aliás, os boatos eram de que a Disney liberou todo o "estoque" do aquário nas águas locais quando fechou o resort, incluindo tubarões.

Bom, quem não gostaria de se promover com essa história?

O que quero falar é que esse blog sobre a Ilha do Tesouro me fez pensar. Apesar de terem passado muitos anos desde o fechamento, pensei que talvez fosse legal fazer algum tipo de "trilha urbana" no Palácio Mogli. Tirar umas fotos, escrever sobre, provavelmente ver se podia levar algo pra casa de lembrança.

Não vou dizer que fui pra lá na hora, por que, na verdade, passou um ano desde que descobri o artigo da Ilha do Tesouro até que eu fosse lá mesmo.

Durante esse ano, pesquisei o Palácio e o resort... Melhor, tentei.

Naturalmente, nenhum site ou fonte oficial relacionada a Disney fazia sequer menção ao Palácio. Limparam bem os rastros.

Mais estranho ainda foi o fato de que aparentemente ninguém antes de mim pensou em escrever sobre o Palácio ou coisa assim. Nenhuma das emissoras de TV e jornal locais sabiam dizer uma palavra sobre, o que até era o esperado já que dançaram conforme a música da Disney. Não sairiam por aí simplesmente comentando a vergonha dela, saca?

Por fim, não conseguia nem mesmo imaginar onde era o lugar. Tudo o que tinha de guia era um mapa velho pra cacete que chegara pelo correio no fim dos anos 90. Um item promocional enviado àqueles que haviam visitado o Disney World recentemente e, como tinha passado lá no fim dos anos 80, era um desses visitantes "recentes".

Não pensei realmente em me apoiar nele. Tinha sido enfiado dentro da minha gaveta com todos os livros e quadrinhos da minha infância. Só lembrei dele depois de meses pesquisando e, mesmo assim, precisei de semanas até achá-lo na caixa que meus pais jogaram minhas coisas.

Mas ACHEI o lugar. Os moradores não ajudaram em nada, já que a maioria era de gente que acabara de se mudar... ou de gente velha que simplesmente grunhia pra mim e fazia gestos mal educados assim que eu começava com "Onde posso achar o Palá-".

A viagem seguiu por uma longa estrada cheia de plantas. Espécimes tropicais tinham crescido como pragas e superpopularam a área, disputando com as espécimes nativas que realmente ERAM daquele lugar e tentavam retomar posse da terra.

Fiquei boquiaberto quando cheguei ao portão de entrada do resort. Portas enormes, de madeira de aparência monolítica, cujos suportes pareciam arrancados diretamente de sequóias gigantes.

Grudado no portão havia um pedaço de alumínio, um quadrado, com letras pintadas a tinta preta.

"ABANDONADO PELA DISNEY". Claramente uma obra de arte de algum morador ou ex-empregado que tentava protestar.

Os portões estavam entreabertos o suficiente pra passar sem o carro. Segui em frente com uma câmera digital e o mapa, que continha desenhos do layout do resort.

O interior era tão cheio de plantas quanto o exterior. Os coqueiros, sem poda e cuidados, foram engolidos por pilhas formadas por seus próprios frutos. As bananeiras tinham se tornado, também, uma mistura de fedor e casulos de insetos. Havia um tipo disputa eterna entre a ordem e o caos, exemplificada por fileiras de uma espécie de flores, cuidadosamente plantadas nos lugares certos, que jaziam intercaladas por ervas daninhas grotescas e cogumelos escuros e mal cheirosos.

Tudo o que sobrara do lado de fora se resumia a madeira quebrada e podre e outros materiais não identificáveis. O que parecia ter sido um outdoor ou um letreiro de bar era agora somente uma pilha de detritos, destruídos por vândalos e maltratado pelo clima.

A coisa mais interessantes no chão era uma estátua do Baloo, o amigo urso de O Menino Lobo, posta em uma espécie de cercado na frente do prédio principal. O personagem estava congelado num eterno cumprimento pra ninguém, encarando o vazio com um sorriso idiota e cheio de dentes, e pedaços inteiros de seu "pelo" estavam cobertos de cocô de passarinho. Ervas daninhas subiam por sua plataforma.

Segui pro prédio principal - o PALÁCIO - e vi que a parte de fora, nas partes em que a pintura original não tinha caído ou apodrecido, estava coberta de pichações. As portas da frente não estavam abertas, tinham sido arrancadas das dobradiças e levadas de lá.

Acima das portas, ou melhor, do buraco onde elas estiveram um dia, alguém pintou de novo "ABANDONADO PELA DISNEY".

Queria poder falar que encontrei várias coisas maneiras dentro do Palácio. Estátuas esquecidas, registradoras abandonadas ou uma sociedade secreta e autossustentável de mendigos.

O interior do prédio estava tão consumido, tão vazio, que cheguei a pensar que roubaram até o reboco das paredes. Qualquer coisa que fosse grande demais pra levar... Balcões, mesas, grandes árvores falsas... Tudo jazia misturado nessa câmara de eco que fazia cada passo parecer o ta-ta-ta de uma metralhadora lerda.

Chequei o piso e segui pra onde parecia interessante.

A cozinha estava daquele jeito... Uma cozinha industrial, cheia de equipamentos e espaço, construída a partir de um orçamento generoso. Superfícies de vidro foram quebradas, portas derrubadas das dobradiças e superfícies de metal amassadas por chutes. O lugar todo cheirava a mijo velho.

O imenso freezer, nem um pouco frio, tinha fileiras e fileiras de prateleiras vazias. Ganchos, provavelmente de carne, pendiam do teto. Fiquei lá dentro um pouco e reparei que eles se moviam.

Cada gancho balançava numa direção aleatória, mas seus movimentos eram tão discretos e lentos que era quase impossível notar. Imaginei que fosse resultado dos meus passos e, então, parei cada um com a minha mão, soltando cuidadosamente depois. Dentro de segundos, voltaram a mexem de novo.

Os banheiros estavam praticamente do mesmo jeito. Assim como o resort da Ilha do Tesouro, alguém tinha, metodicamente, quebrado cada vaso de porcelana com cocos e outros objetos. Tinha uns dois centímetros de água parada no chão, rançosa e fedorenta, por isso não fiquei muito tempo lá.

O mais estranhos é que os vasos e pias (e bidês dos banheiros femininos - sim, fui lá também) vazavam, pingavam e desperdiçavam água. Me pareceu que deviam ter cortado a água há muito, MUITO tempo. Havia bastante quartos no resort, mas obviamente eu não tinha tempo de investigar todos eles. Os poucos que vi estavam igualmente destruídos e não esperei achar nada lá. Imaginei que houvesse um rádio ou uma televisão em algum deles, por que realmente pensei ter ouvido uma conversa baixinho.

Apesar de parecer um sussurro, provavelmente minha própria expiração ecoando no silêncio ou água corrente me pregando peças na mente, as palavras pareciam:

-Não acreditei...

-(resposta curta)

-Não sabia disso... Não sabia...

-Seu pai te disse.

-(resposta curta ou possível choro)

Tá, tá... Parece ridículo. Só estou contando o que passei, por que pensei que pudesse ter alguém correndo naquele quarto - pior ainda, vagabundos que se escondiam ali e provavelmente me esfaqueariam.

Ao olhar pro lado de fora, vi algo interessante no pátio que não tinha percebido da primeira vez.

Uma coisa que me daria pelo menos o QUÊ mostrar depois de tanto esforço, nem que fosse só uma foto.

Havia uma estátua perfeita de uma píton, de uns dois metros, toda aconchegada tomando banho de sol num pedestal bem no meio da área. Tava quase na hora do sol se pôr e a luz caía sobre aquilo de um jeito PERFEITO pra uma foto.

Cheguei perto da píton e tirei a foto. Fiquei na ponta dos pés e tirei outra. Me aproximei pra pegar detalhes de seu rosto.

Lenta e casualmente, a píton levantou a cabeça, me olhou no fundo dos olhos, se virou e rastejou pra fora do pedestal, seguiu pela grama e sumiu entre as árvores. Todos os centímetros de seus dois metros e meio. A cabeça sumira tempos antes do rabo descer do pedestal.

A Disney soltara todos os seus animais exóticos por aí. No meu mapa, eu estava na casa dos répteis. Devia saber. Li sobre os tubarões da Ilha do Tesouro, DEVIA saber que eles fizeram isso.

Eu estava apavorado e completamente estupefato. Minha boca permaneceu aberta por um longo tempo antes de eu me tocar e voltar a terra. Pisquei algumas vezes e me distanciei de onde a cobra estivera, em direção ao Palácio.

Mesmo ela tendo ido embora, decidi não arriscar mais e volte pra dentro do prédio. Demorou algumas baforidas e uns tapas na minha fuça pra eu sair do transe.

Procurei algum lugar onde pudesse sentar por que minhas pernas pareciam gelatina. Claro, não havia NENHUM lugar pra sentar, a não ser que eu me contentasse com vidro quebrado e tapete de folha morta ou me apoiar em algum balcão questionável.

Tinha visto uma escada perto do lobby e decidi voltar pra me sentar até que me sentisse melhor. A escada estava longe o suficiente da frente do prédio pra estar relativamente limpa, à exceção de uma crosta de poeira. Tirei uma placa de metal da parede, também pintada com o bordão ABANDONADO PELA DISNEY, com o qual já me acostumava. Pus a placa na escada pra que pudesse sentar sem me sujar tanto.

A escadaria seguia pra baixo. Improvisando uma lanterna com o flash da câmera, pude ver que os degraus davam num portão de metal com barras. Uma placa na porta - dessa vez uma placa de verdade - lia "MASCOTES APENAS - OBRIGADO!".

Isso me deixou animado por dois motivos. Primeiro, uma área só pra mascotes com certeza tinha coisa interessante naquela época... Segundo, as barras da porta ainda estavam lá. Ninguém se aventurara lá embaixo. Nem os vândalos, nem os ladrões, ninguém.

Era o úncio lugar que eu podia realmente "explorar" e, quem sabe, achar coisa interessante pra fotografar ou roubar na cara de pau. Vim pro Palácio num acordo comigo mesmo, de que não seria ruim pegar o que eu quisesse por que - né - "abandonado".

Não deu muito trabalho pra abrir a fechadura. Tá, na verdade, minto. Não levou muito tempo pra arrancar a parte de metal por onde as barras da porta estavam presas. O tempo e o abandono fizeram a maior parte do trabalho. Pude dobrar a placa de metal o suficiente pra arrancar os pregos da parede e entrar - coisa que ninguém antes pensou, ou conseguiu, tempos atrás.

A área reservada pra Mascotes era assustadora de verdade, e uma mudança bem-vinda do resto do prédio. Só pra constar, esporadicamente, algumas lâmpadas ainda acendia, piscando e desligando aleatoriamente. Além do mais, nada fora roubado ou quebrado, mesmo sofrendo os efeitos do tempo e da falta de manutenção.

As mesas tinham cadernos e canetas, e havia relógios... Mesmo um lugar pra bater ponto na parede, completo com as fichas dos trabalhadores. Cadeiras estavam espalhadas e havia um espaço com uma televisão velha e cheia de estática e comida e bebida estragadas nos balcões.

Parecia um filme pós-apocalíptico, em que tudo é deixado pra trás na hora da evacuação.

Enquanto caminhava por entre os corredores, que pareciam um labirinto, a paisagem ficou cada vez mais interessante. Me embrenhando mais fundo, mesas e cadeiras foram jogadas no chão, papéis espalhados e quase fundidos ao chão úmido, e um carpete que já começava a absorver a podridão da madeira roxa do piso.

Tava tudo meio "derretido". O que eu tocava se desfazia, mesmo se o toque tivesse sido dos mais leves, e as peças de roupa das araras dentro de um dos quartinhos simplesmente se desfez numa maçaroca úmida quando encostei.

O que me incomodava mesmo era a luz, cada vez mais esparsa e fraca à medida que seguia mais fundo naquele espaço úmido e sufocante do Palácio.

Eventualmente, cheguei a uma porta listrada de preto e amarelo com as palavras "PREP DOS PERSONAGENS" desenhada nela.

A porta não abriu de primeira. Imaginei que fosse onde as fantasias estavam guardadas e eu realmente precisava de uma foto dessa visão suja e retorcida. Mas por mais que eu tentasse, a porta não abria.

Quer dizer, até eu desistir e começar a ir embora. Foi quando ouvi um barulho e a porta abriu, lentamente.

Por dentro, o quarto estava completamente escuro. Completamente. Usei o flah pra tentar achar um interruptor na parede, mas não havia nada.

Enquanto procurava, fui interrompido por um barulho de eletricidade. Fileiras de luzes acima de mim simplesmente acenderam, algumas piscando e falhando como as outras do início.

Precisei de um segundo pra ajustar os olhos, parecia que a luz iria ficar mais e mais brilhante até explodir os bulbos... mas justamente quando pensei que chegaria nesse ponto, as luzes enfraqueceram e estabilizaram.

O quarto era exatamente o que eu pensei. Várias fantasias da Disney penduradas nas paredes, arrumadas pra parecerem cadáveres de algum desenho animado esqusito.

Tinha uma arara inteira só de tanguinhas e vestes "nativas" ao fundo. O que achei esquisito, e quis fotografar na hora, era uma fantasia de Mickey Mouse no centro da sala. Ao contrário das outras, estava jogada de costas, como a vítima de um assassinato. O pelo da fantasia estava podre e se desmanchava, formando falhas. Mais estranho ainda, porém, era a cor da fantasia. Era como um negativo do Mickey de verdade. Preto onde devia ser branco e branco onde devia ser preto. O resto, normalmente, vermelho, era azul claro.

A visão era perturbadora o suficiente pra me fazer deixar aquela foto pro final.

Fotografei as fantasias nas paredes. De cima, debaixo, de lado, mostrando uma arara inteira de desenhos animados estáticos e putrefatos, alguns sem os olhos de plástico.

Decidi montar uma foto. Uma das cabeças decapitadas das fantasias. Agarrei uma fantasia de Pato Donald e, cuidadosamente pra que não desmontasse, retirei a cabeça. Enquanto eu encarava aquela cabeça olhuda, um barulho alto me fez pular de medo.

Olhei pros meus pés, e entre eles havia um crânio humano. Caíra da cabeça do mascote e se desmanchou em mil pedacinhos; só uma cara vazia e um maxilar sobraram, olhando de volta pra mim. Deixei a cabeça do Donald cair na hora, como vocês fariam, e corri para a porta. Na saída pro corredor, olhei pra trás pro crânio.

Eu precisava de uma foto, saca?PRECISAVA, por inúmeras razões que talvez pareçam bobas, mas não são se você pensar bem.

Precisava de prova do ocorrido, principalmente por que a Disney queria encobrir isso. Sem dúvida, desde o começo, mesmo que isso fosse só vista grossa das feias, a Disney era RESPONSÁVEL.

Foi quando o Mickey, o negativo, o oposto do Mickey, no meio do chão, começou a se levantar.

Primeiro sentou, depois se pôs de pé... a fantasia... ou quem estivesse lá dentro... parou no centro da sala, o rosto me encarando diretamente enquanto eu repetia "não"...

Imagem

Com mãos trêmulas, o coração batendo contra o peito, e pernas de gelatina, consegui levantar a câmera e mirar a criatura-negativo que agora me encarava em silêncio.

A tela da câmera, contra a luz, mostrava só pixels no formato da coisa. Era a silhueta perfeita da fantasia do Mickey. A câmera, se movendo nas minhas mãos instáveis, acompanhava o contorno do Mickey enquanto ele se mexia. Aí a câmera desligou. Ficou quieta, a tela apagada...quebrada...

Voltei a encarar a fantasia do Mickey.

-Ei.... - chamou, numa imitação perfeita, retorcida e sussurrada da voz do Mickey - quer ver minha cabeça saindo?

Começou a puxar a própria cabeça, com seus dedos desajeitados, num movimento similar a de um homem ferido tentando se livrar dos dentes do predador...

Enquanto remexia o pescoço... tanto sangue saindo..

Um líquido grosso, amarelo e fedorento...

Me virei assim que ouvi o ruído nauseante de tecido e pele sendo rasgados... Só quis fugir. Acima da porta, do lado de fora do quarto, vi a mensagem final, marcada em metal com ossos... ou unhas...

ABANDONADO POR DEUS

Nunca descarreguei as fotos da câmera. Nunca escrevi um blog sobre. Depois de correr daquele lugar, pela minha sanidade, se não pela minha própria vida, soube por que a Disney não queria que ninguém soubesse...

Não queriam ninguém como eu entrando...

Não queriam que aquilo saísse...

_________________
Imagem


---


Imagem


Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter
Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: CREEPYPASTA • Tópico para comentar e compartilhar histórias de terror
MensagemEnviado: 30 Dez 2014, 13:40 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 03 Dez 2011, 11:45
Mensagens: 4711
Localização: RJ
Curtiu: 285 vezes
Foi curtido: 306 vezes
Programa CH: Chapolin
Time de Futebol: Botafogo
A melhor creepypasta CH é aquela que falam que foi o motivo da saída do Carlos, quando a Dona Florinda dá um tapa tão forte no Seu madruga que ele morre, a Chiquinha e a Dona Clotilde fazem um pentagrama no chão, etc.

_________________
Imagem


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: CREEPYPASTA • Tópico para comentar e compartilhar histórias de terror
MensagemEnviado: 30 Dez 2014, 13:43 
Offline
Membro

Registrado em: 11 Fev 2013, 11:55
Mensagens: 5135
Curtiu: 984 vezes
Foi curtido: 454 vezes
Programa CH: Chapolin
''The Rake'' acompanha meus pesadelos até os dias atuais.

_________________
We're walking down the
Street of chance
Where the chance is always
Slim or none
And the intentions unjust

Baby there's nothing to see
I've already been
Down the street of chance


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: CREEPYPASTA • Tópico para comentar e compartilhar histórias de terror
MensagemEnviado: 30 Dez 2014, 14:02 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 03 Fev 2009, 00:35
Mensagens: 8405
Localização: Araraquara - SP
Curtiu: 153 vezes
Foi curtido: 160 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Corinthians
Abriu o tópico com chave de ouro, Bruce. Essa creepypasta "Abandonados pela Disney" foi uma das melhores que eu já li também. Cai em alguns clichês, mas isto é inevitável. O desenvolvimento da história é perfeito. Ganha nota 10 facinho.

Também gosto das creepies que envolvem "coisas" que velam teu sono, tipo o rake e o carazi. São histórias que mexem com o nosso imaginário, muito boas.

_________________
Minha trajetória no meio CH:

- Moderador Global do Fórum Chaves de novembro de 2012 a maio de 2013 / de maio de 2014 a novembro de 2014
- Moderador do Fórum Chaves de julho de 2011 a novembro de 2012 / de novembro de 2013 a maio de 2014
- Organizador do Sistema de Avaliação e Rankeamento de Episódios CH em 2011 e 2013
- Organizador do Balão do Usuário 2011 (1° semestre)
- Tetracampeão do Balão do Usuário 2010 (rodadas 11, 12, 13 e 14)
- Tetracampeão do Usuário do Mês (dezembro de 2010, janeiro e março de 2011 e maio de 2013)
- Integrante do meio CH desde 2005


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: CREEPYPASTA • Tópico para comentar e compartilhar histórias de terror
MensagemEnviado: 30 Dez 2014, 14:44 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 13 Jun 2012, 16:39
Mensagens: 868
Localização: Ora, no lugar de sempre
Curtiu: 48 vezes
Foi curtido: 49 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Botafogo
Quem nunca sentiu arrepios com a musiquinha de Lavender Town?

_________________
Imagem


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: CREEPYPASTA • Tópico para comentar e compartilhar histórias de terror
MensagemEnviado: 30 Dez 2014, 14:57 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 03 Fev 2009, 00:35
Mensagens: 8405
Localização: Araraquara - SP
Curtiu: 153 vezes
Foi curtido: 160 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Corinthians
Não sei se era excesso de inocência ou qualquer outra coisa, mas quando joguei pela primeira vez aos 10 anos a música de Lavender e da torre Pokémon eram tão comuns pra mim quanto as outras. Até demorei um bom tempo pra perceber que aquelas "placas" na torre eram túmulos e que os Rockets tinham matado a Marowak.

_________________
Minha trajetória no meio CH:

- Moderador Global do Fórum Chaves de novembro de 2012 a maio de 2013 / de maio de 2014 a novembro de 2014
- Moderador do Fórum Chaves de julho de 2011 a novembro de 2012 / de novembro de 2013 a maio de 2014
- Organizador do Sistema de Avaliação e Rankeamento de Episódios CH em 2011 e 2013
- Organizador do Balão do Usuário 2011 (1° semestre)
- Tetracampeão do Balão do Usuário 2010 (rodadas 11, 12, 13 e 14)
- Tetracampeão do Usuário do Mês (dezembro de 2010, janeiro e março de 2011 e maio de 2013)
- Integrante do meio CH desde 2005


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: CREEPYPASTA • Tópico para comentar e compartilhar histórias de terror
MensagemEnviado: 30 Dez 2014, 18:01 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 05 Mar 2012, 19:39
Mensagens: 9542
Localização: TARDIS
Curtiu: 251 vezes
Foi curtido: 636 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Santos
Sério, aprendi a não ter medo com essas creepy mais. Talvez por trabalhar com elas por isso.

_________________
Hyuri Augusto:
Membro do Fórum Chaves desde o dia 05 de Março de 2012 (6 anos)
Moderador Global do Fórum Chaves
(Novembro de 2016 - Novembro de 2017)

Organizador da edição de 2016/Início de 2017 do jogo "De que Episódio é essa foto?"
3ª Entrevistador do projeto "Entrevista da Semana"
Idealizador da 2ª Versão do Concurso de Piadas
Usuário do Mês de Fevereiro e Maio de 2016
Atualmente indealiza o "O Céu é o Limite - Fórum Chaves


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: CREEPYPASTA • Tópico para comentar e compartilhar histórias de terror
MensagemEnviado: 31 Dez 2014, 11:12 
Offline
Membro

Registrado em: 20 Nov 2011, 11:47
Mensagens: 1550
Curtiu: 10 vezes
Foi curtido: 23 vezes
Programa CH: Chapolin
Time de Futebol: Grêmio
Pra mim a melhor é A Guitarra de 5 Cordas parte 1,2 e 3.


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: CREEPYPASTA • Tópico para comentar e compartilhar histórias de terror
MensagemEnviado: 31 Dez 2014, 16:43 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 12 Jan 2012, 12:06
Mensagens: 354
Curtiu: 128 vezes
Foi curtido: 154 vezes
Programa CH: Chapolin
Time de Futebol: Pirapora-do-Passa-Quatro FC
tem aquela q uma emissora de bosta compra uma série renomada, exibe picotada e faltando coisa por frescura e trata a fanbase como se estivesse fazendo um favor

_________________
pasa o zap gostosa


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: CREEPYPASTA • Tópico para comentar e compartilhar histórias de terror
MensagemEnviado: 31 Dez 2014, 17:50 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 03 Dez 2011, 11:45
Mensagens: 4711
Localização: RJ
Curtiu: 285 vezes
Foi curtido: 306 vezes
Programa CH: Chapolin
Time de Futebol: Botafogo
Essa me dá pesadelos até hoje

_________________
Imagem


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: CREEPYPASTA • Tópico para comentar e compartilhar histórias de terror
MensagemEnviado: 21 Jul 2015, 08:59 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 29 Nov 2011, 10:03
Mensagens: 8441
Curtiu: 666 vezes
Foi curtido: 594 vezes
Programa CH: Chapolin
Time de Futebol: gremio
Ressuscitando o tópico por uma causa nobre. "Godzilla" foi uma das melhores creepypastas que já li na minha vida e eu achei que deveria compartilhar com quem não sabe de sua existência.

1° Parte - Earth

http://creepypastabrazil.blogspot.com.b ... marte.html

2° Parte - Pathos

http://creepypastabrazil.blogspot.com.b ... athos.html

3° Parte - Trance

http://creepypastabrazil.blogspot.com.b ... rance.html

4° Parte - Dementia

http://creepypastabrazil.blogspot.com.b ... entia.html

5° Parte - Entropy

http://creepypastabrazil.blogspot.com.b ... ropia.html

6° Parte - Extus

http://creepypastabrazil.blogspot.com.b ... extus.html

7° Parte - Zenith

http://creepypastabrazil.blogspot.com.b ... enith.html

8° e última Parte - Final

http://creepypastabrazil.blogspot.com.b ... final.html

_________________
Imagem


---


Imagem


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: CREEPYPASTA • Tópico para comentar e compartilhar histórias de terror
MensagemEnviado: 21 Jul 2015, 10:41 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 05 Mar 2012, 19:39
Mensagens: 9542
Localização: TARDIS
Curtiu: 251 vezes
Foi curtido: 636 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Santos
Creepypasta mais foda que já vi! Vou ler a última parte agora.

_________________
Hyuri Augusto:
Membro do Fórum Chaves desde o dia 05 de Março de 2012 (6 anos)
Moderador Global do Fórum Chaves
(Novembro de 2016 - Novembro de 2017)

Organizador da edição de 2016/Início de 2017 do jogo "De que Episódio é essa foto?"
3ª Entrevistador do projeto "Entrevista da Semana"
Idealizador da 2ª Versão do Concurso de Piadas
Usuário do Mês de Fevereiro e Maio de 2016
Atualmente indealiza o "O Céu é o Limite - Fórum Chaves


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: CREEPYPASTA • Tópico para comentar e compartilhar histórias de terror
MensagemEnviado: 21 Jul 2015, 23:07 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 07 Fev 2009, 02:10
Mensagens: 12227
Localização: Rio de Janeiro - RJ
Curtiu: 129 vezes
Foi curtido: 336 vezes
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Botafogo
Guarda escreveu:
tem aquela q uma emissora de bosta compra uma série renomada, exibe picotada e faltando coisa por frescura e trata a fanbase como se estivesse fazendo um favor

E se eu te contar que esta na verdade é real? :unsure:

_________________
Imagem

.A Fazenda do Fórum Chaves - (1ª Edição - Antonio Felipe, 2ª Edição - Mandarim, 3ª Edição - Quase Seca, 4ª Edição - Chad'), 5ª Edição - (em breve)
.Quanto Vale a Jogada? - (1ª Edição - Leandro Boutsen)
.Trivia Fórum Chaves - (1ª Edição - Antonio Felipe, 2ª Edição - Dan da Silva, 3ª Edição - Rafinha)


Imagem


http://www.facebook.com/FabioMMdeCastro


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: CREEPYPASTA • Tópico para comentar e compartilhar histórias de terror
MensagemEnviado: 28 Out 2015, 17:34 
Offline
Membro

Registrado em: 13 Dez 2014, 20:47
Mensagens: 52
Curtiu: 1 vez
Foi curtido: 1 vez
Programa CH: Chaves
Time de Futebol: Ceará
No final dos anos 90, um estudante de jornalismo da PUC-PR, em Curitiba, elaborou um trabalho de conclusão de curso sobre o seriado infantil Chaves. O trabalho foi bastante elogiado pela banca avaliadora, que exaltou a capacidade investigativa do aluno.

Esse TCC dedica um de seus capítulos ao estudo da saída de Carlos Villágran, o Quico, da equipe do programa. Embora não apresente provas conclusivas, o trabalho tras uma teoria intrigante sobre os motivos que o levaram a sair.

Todos os trechos abaixo foram retirados da monografia em questão.

No final de 1977, Carlos Villagrán, que desde o início da série interpretava o Quico no Chaves, deixa a série. Os motivos reais nunca foram oficialmente divulgados, e inúmeras hipóteses foram levantadas na tentativa de explicar sua saída. O que é certo, é que Villagrán e Roberto Gomes Bolaños, criador da série e intérprete do personagem-título, nunca mais retomaram a amizade que mantinham desde o início dos anos 70.

Em 1977, quando da saída de Villagrán, o jornal mexicano El Universal publicou uma matéria que explicava as razões da rusga entre Villagrán e Bolaños. Segundo o periódico, a saída do Quico deu-se por diferenças criativas. Durante as filmagens de um episódio piloto, que abriria a temporada de 1978 do programa, Villagrán teria considerado o conteúdo do programa como repulsivo, e deixado a equipe na seqüência. Contudo, o jornal não dizia qual era o conteúdo do episódio em questão.

Vilagran, até hoje, recusa-se a comentar esse assunto. Qualquer entrevista em que seja abordado esse imbróglio é imediatamente encerrada pela equipe de assessores de Villagrán.

Supostamente, o jornal teve acesso a uma cópia do roteiro do episódio em questão, mas não publicou nem mencionou nada acerca de seu conteúdo. Isso seria fruto de um acordo entre a diretoria do periódico com altos executivos da Televisa, que desembolsaram uma quantia substancial em dinheiro para evitar a publicação deste roteiro. É dito que cópias do tal roteiro sobreviveram, guardadas por funcionários do jornal.

O episódio piloto chegou a ser gravado, e mesmo editado, para posterior apresentação perante os executivos da Televisa. É dito que eles teriam ficado horrorizados com o conteúdo. Um diretor de programação, à época, teria dito que o programa era absolutamente impróprio para crianças, e, na verdade, absolutamente impróprio para qualquer um.

A gravação original deste episódio foi destruída pela Televisa. Contudo, uma cópia clandestina foi feita por um funcionário da emissora. Essa copia teria sido vendida para um colecionador argentino em 1996, numa transação que teria envolvido algo em torno de 4 mil dólares.

O depoimento a seguir é um compêndio de declarações de alguns funcionários da Televisa que, à época, foram submetidos à exibição do programa. Todos eles pediram para não ser identificados. Poucos chegaram a ver o episódio finalizado e editado, e alguns destes já vieram a falecer.

A partir da temporada de 1974, o Chaves foi ganhando destaque na programação da Televisa, e conseguindo cada vez mais sucesso junto ao público. Bolaños, porém, artista inquieto que era, queria introduzir mudanças no programa. Poucos sabem, mas à época, Bolaños fazia planos de escrever roteiros de mistério e horror, e abandonar os humorísticos.

Durante a temporada de 1975, Bolaños tenta introduzir alguns desses elementos no Chaves. Neste ano, vai ao ar o célebre episódio em que Chaves, Quico e Chiquinha entram na casa de Dona Clotilde, e lá, descobrem que ela era, de fato, uma bruxa. Originalmente, o roteiro previa que a incursão deles à casa da bruxa realmente aconteceria, e a descoberta deles teria implicações em episódios futuros. Executivos da Televisa interviram, e impuseram o final que foi ao ar: tudo não passava de um delírio das crianças.

Ainda nesse ano, vai ao ar um episódio em que as travessuras e trapalhadas de Chaves fazem com que vários moradores da vila comam insetos embebidos em gasolina. O roteiro original previa um programa mais sombrio e grotesco, mas novamente foi alterado por diretores da Televisa.
Nos dois anos seguintes, Bolaños continuou a introduzir elementos sobrenaturais, de horror ou mistério, nos episódios do Chaves. Episódios como aquele em que as crianças assistem um filme de terror, e a saga dos espíritos zombeteiros são frutos dessa influência de Bolaños.

No início de 1978, Bolaños decidiu mudar radicalmente o programa. O Chaves, a partir de então, seria um programa de comédia com elementos de horror, mirando um público mais adulto. Mal comparando, algo semelhante à série de filmes Evil Dead. Ele escreveu um episódio piloto nessa linha, que chegou a ser filmado e exibido aos executivos de programação da Telesiva. A reação foi absolutamente negativa. Os executivos vetaram terminantemente a mudança de rumo proposta por Bolaños. Carlos Villágran, o Quico, ficou tão horrorizado com o resultado final do episódio que deixou a série.

A seguir, uma sinopse do conteúdo de tão controverso episódio. Essa sinopse foi escrita a partir de diversos depoimentos de funcionários da Televisa que chegaram a ver o programa finalizado e editado, ou que participaram da gravação, ou mesmo que tiveram acesso ao roteiro.

O episódio começa com Chaves brincando no pátio da vila, indo para lá e pra cá em um patinete. Quico sai de sua casa, vê Chaves brincando e faz expressão zangada. Vai até ele, e segura o guidon do patinete com as duas mãos. Segue-se um diálogo:

-Chaves, quem te deu permissão para mexer nos meus brinquedos?

-É que o patinete estava jogado alí no outro pátio e eu... eu...

Quico fica mais zangado:

-Eu coisa nenhuma Chaves, devolve aqui meu patinete.

Ato contínuo, Quico puxa o patinete bruscamente, derrubando o Chaves. Quico deixa o patinete no chão e ri escandalosamente. Chaves levanta, pega do patinete, empunha-o e avança sobre Quico.

-Agora você vai ver só uma coisa, Quico!

Quico corre e grita Mamãe!. Neste meio tempo, Seu Madruga sai de sua casa, e toma o patinete de Chaves, impedindo que ele acerte Quico. Dona Florinda vem para o pátio, apressadamente.

-Mamãe, ele queria me bater com o patinete!

Dona Florinda dá um tapa em Seu Madruga. Diz:

-Vamos tesouro. Não se junte com essa gentalha.

Volta para dentro. Quico aplica o tradicional gentalha gentalha em Seu Madruga, e também volta para sua casa.

Nesse momento, um primeiro plano de Seu Madruga revela que seu nariz está sangrando. Ele tenta estancar o sangramento, sob o olhar preocupado de Chaves, mas sem sucesso. Ambas as narinas deitam uma grande quantdade de sangue, até que Seu Madruga cai no chão do pátio.

Corta para Quico, Chiquinha e Chaves na escada da vila. A iluminação do cenário sugere ser noite. Os três choram muito. Em Chaves, cada personagem possui um modo característico de chorar, mas neste momento, não. Eles choram de forma comum, aos soluços. Esse plano dura aproximadamente 1 minuto.

Em seguida, chegam o Professor Girafales e Seu Barriga, acompanhados de 2 policiais. Eles dirigem-se à casa de Dona Florinda. O Professor bate na porta, ninguém atende. Ele chama:

-Dona Florinda, abra a porta por favor.

Não há resposta. O professor abre a porta, os policiais entram, e saem com Dona Florinda algemada. Seu rosto exibe uma imensa apatia enquanto os policiais a levam. Quico, ao ver sua mãe sendo levada, desespera-se: tenta atacar os policiais, mas é contido por Seu Barriga. Dona Florinda nem parece tomar conhecimento da situação, mantendo sempre a expressão apática e o olhar vazio. Quico, seguro por Seu Barriga, chora muito e balbucia mamãe algumas vezes. Depois que os policiais deixam a vila, levando Dona Florinda, Seu Barriga tenta consolar Quico, mas ele corre para casa.

Segue-se um diálogo entre Seu Barriga e Professor Girafales:

- Que tragédia horrível tivemos aqui, Senhor Barriga.

- É verdade professor. Eu devia ter previsto que isso acabaria acontecendo.

- Qual foi a causa da morte?

- Seu Madruga foi boxeador na juventude. Os socos que ele levava causaram um afundamento no crânio. O tapa que a Dona Florinda deu hoje causou um traumatismo bem nessa região. Ele teve uma hemorragia cerebral e não resistiu.

-Uma tragédia horrível, Senhor Barriga!

-Sim.

-Quem cuidará dos preparativos do funeral?

-Eu cuido de tudo Professor. Não se preocupe. O senhor vai ficar aqui com as crianças?

-Sim, naturalmente.

Seu Barriga deixa a vila. Professor Girafales entra na casa de Dona Florinda.
Chiquinha e Chaves continuam sentados na escada. Agora, pararam de chorar, apenas olham fixamente para o vazio.

Dona Clotilde sai de sua casa e vem em direção às crianças. Ela usa uma roupa diferente do que costumamos ver, uma espécie de roupão preto com vários símbolos bordados em vermelho e roxo.

Nesse momento, os depoimentos são contraditórios. Há quem afirme que Dona Clotilde traz consigo um livro semelhante à uma Bíblia. Outros dizem que a fita falha quando ela aparece, e só volta ao normal num momento mais avançado do episódio. Uma fonte descreve que Dona Clotilde vai até a escada e conversa, aos cochichos, com Chiquinha.

O que é consenso é o conteúdo que vem na seqüência. O pátio da vila está vazio, a iluminação é mais tênue do que na seqüência anterior, provavelmente sugerindo que a noite está mais avançada. Uma panorâmica pelo cenário mostra as escadas vazias, em seguida o centro do pátio, onde está desenhado um grande pentagrama vermelho; e em seguida Chiquinha sentada à porta de sua casa, abraçando os joelhos. Seus pulsos estão enfaixados, e as bandagens sujas de algo que parece ser sangue.

Então, começa a ventar no pátio. Ouvimos um estrondo, é a porta da frente se abrindo. Corta para um reaction shot de Chiquinha: seus olhos estão arregalados, sua boca entreaberta, uma expressão de puro horror. Ouvimos o som de algo pegajoso. Nunca é possível ver claramente o que ou quem entrou no pátio, mas planos breves, de no máximo 1 segundo, mostram uma figura magra, enrolada num pano branco, deixando atrás de si um rastro de uma substância pegajosa, aparentemente negra.

A figura aproxima-se. Novo reaction shot de Chiquinha: agora ela sorri.
A partir daí, os depoimentos novamente tornam-se contraditórios. Há quem afirme que a fita só apresentava estática depois dessa cena. Outros afirmam que não, mas não souberam dizer o que acontecia depois. Outros preferiram apenas não dizer nada.

O que é certo é que o episódio teve péssima recepção junto aos executivos da Televisa, e que Carlos Villagran deixou o programa em seguida. Supostamente, uma cópia do episódio existe no acervo de um colecionador argentino, mas, procurado para este trabalho, ele negou veemente possuí-la, e pediu para não ter o nome divulgado.

Diz-se que Bolaños pretendia desdobrar os acontecimentos desse episódio ao longo daquela temporada do Chaves. Não se sabe exatamente o que ele tinha em mente, mas funcionários da Televisa que tiveram acesso à fragmentos do conteúdo, por meio de anotações que Bolaños fazia em seus cadernos; ou mesmo em conversas com o Chesperito, dizem tratar-se de um material absolutamente sombrio e perturbador, obviamente inadequado para um humorístico infantil.

O conteúdo desses fragmentos, porém, permanece desconhecido.


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: CREEPYPASTA • Tópico para comentar e compartilhar histórias de terror
MensagemEnviado: 28 Out 2015, 17:38 
Offline
Avatar do usuário
Membro

Registrado em: 29 Nov 2011, 10:03
Mensagens: 8441
Curtiu: 666 vezes
Foi curtido: 594 vezes
Programa CH: Chapolin
Time de Futebol: gremio
Alguém acordou do coma recentemente.

_________________
Imagem


---


Imagem


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Exibir mensagens anteriores:  Ordenar por  
Criar novo tópico Responder  [ 28 mensagens ]  Ir para página 1, 2  Próximo

Todos os horários são GMT - 3 horas


Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 2 visitantes


Enviar mensagens: Proibido
Responder mensagens: Proibido
Editar mensagens: Proibido
Excluir mensagens: Proibido

Procurar por:
Ir para: