Fórum Portal Vídeos Guia de Episódios

Tag Archives: despedida

Maria Antonieta de Las Nieves suspende turnê pelos Estados Unidos

3GJeNeD

A atriz Maria Antonieta de Las Nieves, que interpretou Chiquinha no seriado “Chaves”, suspendeu sua turnê de despedida pelos Estados Unidos, devido aos problemas de saúde do seu marido, o locutor Gabriel Fernández.

Há 15 dias, na Califórnia, o marido da atriz sofreu uma trombose da veia renal. Com isso, ela teve de levá-lo às pressas a um hospital público, onde foi constatado que Gabriel apresentava um coágulo nos rins, que circulava pelo sangue e poderia invadir outros órgãos vitais.

Diagnosticado o problema, o locutor deveria passar por um tratamento rigoroso, que custava mais de 200 mil dólares. Segundo o site DiarioBasta.com, a família de Maria Antonieta possuía somente 8 mil dólares e fez um acordo com o hospital, que lhe deu alta, por sua conta e risco.

Os dois já se encontram na Cidade do México e, nos próximos dias, viajarão a Mérida, no estado de Yucatán, já que a poluição e a altitude da capital fazem mal à respiração de Gabriel.

Texto: Oyo, traduzido por Furtado

Discuta esse assunto com outros fãs no tópico do Fórum Chaves!

Maria Antonieta de las Nieves inicia sua turnê de despedida no México

Foto: Excelsior

Foto: Excelsior

A comediante Maria Antonieta de las Nieves deu início à etapa mexicana de sua turnê de despedida da Chiquinha, personagem que vem interpretando há mais de 40 anos, desde que entrou para o elenco de Chespirito, no seriado “Chaves”.

A atriz se apresentou diante de centenas de pessoas no último dia 2 de maio, no Palácio de los Deportes, na Cidade do México, comemorando o Dia das Crianças naquele país. Durante o show, ela agradeceu ao público por seu carinho e apoio em mais de quatro décadas.

“Este é o começo de uma nova era para a Chiquinha”, disse a artista, que em diversas ocasiões não conseguiu conter as lágrimas pela emoção e tristeza de dizer adeus aos seus fãs.

“Há trinta e tantos anos que não trabalho na Cidade do México. Esperei muito tempo e nesse tempo visitei todo o México, América Central e do Sul, Estados Unidos, e por fim estou em minha pátria e com o melhor público do mundo”, acrescentou.

Há alguns dias, Maria declarou à imprensa que, depois de 45 anos, tomou a decisão de se despedir da Chiquinha para dedicar-se ao marido, Gabriel Fernández, que sofre de problemas auditividos e recebe tratamento médico há alguns anos.

“Já que estamos aqui, quero que agradeçamos ao meu empresário, produtor, à pessoa que trabalhou em todas as apresentações comigo. E se agorinha não está comigo é porque tem um problema no ouvido que lhe provoca enjoos”, afirmou.

Nos próximos meses, de las Nieves fará uma longa turnê pelo interior do México, para depois fazer escalas nas Américas Central e do Sul, além dos Estados Unidos.

“Iremos a todos os lugares belos que conheci, mas só haverá uma apresentação. Assim que quero me despedir de minha gente bonita”, disse.

Sem poder evitar a emoção, a atriz comentou que não imaginava que seria tão emocionante a despedida na Cidade do México.

“Vou lhes deixar todo o meu coração e quero que sigam nos vendo na televisão”, expressou emocionada. “A Chiquinha nunca morrerá, enquanto existam pessoas que nos aplaudam, completou.

Discuta esse assunto com outros fãs no tópico no Fórum Chaves!

Texto: Excelsior, traduzido por Antonio Felipe

Maria Antonieta de las Nieves começa sua turnê de despedida nos Estados Unidos

Crédito: La Hora

Crédito: La Hora

Em entrevista para o programa Hoy, da Univision, Maria Antonieta de las Nieves confirmou que começará a turnê de despedida da Chiquinha nos Estados Unidos, onde percorrerá diversas cidades. A atriz lamentou ainda que não possa se apresentar em circos no México, em razão de medidas restritivas ao uso de animais no picadeiro.

Confira:

Discuta esse assunto com outros fãs no tópico no Fórum Chaves!

Texto: Antonio Felipe, para o Fórum Chaves

Maria Antonieta de las Nieves anuncia turnê de despedida

chiquinha01A atriz Maria Antonieta de las Nieves confirmou à imprensa que fará uma turnê de despedida de seu personagem, a Chiquinha, a qual poderá durar até dez anos.

“Vai durar algo como oito ou dez anos, pois primeiro vou percorrer os Estados Unidos, depois a América Central e do Sul e, por fim, o México. Quando isso acontecer, serei a “Biscavó”, brincou.

Em entrevista, Maria confessou que não ligou para o artista Xavier López para sobre o fim de seu programa, “En familia con Chabelo”, porque isso significaria dar-lhe os pêsames.

“Gosto muito do ‘Chabelo’, é meu amigo e não alei com ele porque para mim seria como dar-lhe os pêsames. É uma lástima que não haja mais programa para crianças”, opinou.

A notícia de que o programa sairá do ar na Televisa após 48 anos no ar, disse, “me doeu coo seu eu fosse sair da TV, como se tivessem tirar o programa de mim”.

No entanto, Maria prefere não enviar uma mensagem ao apresentador e comediante, pois considera que ele é o mestre e, se fosse ao contrário, “ele me diria: ‘não se preocupe, Maria Antonieta, vamos em frente'”.

“Estou segura de que ele não ficará de braços cruzados, [seu programa] é um vazio que não vai se preencher”, acrescentou.

A atriz analisou que a TV paga está cheia de programas infantis e mesmo na TV aberta do México poderiam fazer algo com a mesma qualidade.

“Temos o talento, mas é uma lástima porque não só se vão as propostas infantis, mas os programas para a família. Por isso que graças ao Chaves seguimos vigentes, na moda”.

A “Chiquinha” acompanhou a estreia da obra “Las muchachas del club”, que também contou com a presença da atriz Florinda Meza.

A respeito da missa pelo primeiro ano da morte de Chespirito, ela reiterou que não esteve no Panteón Francés porque não teria sido convidada.

“Não pode ir a um evento que não te convidam, porque logo se não te deixam passar, eu ficaria muito mal”, comentou ao assegurar que mantém uma boa relação com as filhas de Chespirito, à exceção de seu filho Roberto Gómez Fernández.

Sobre sua saúde, revelou que está muito melhor, ainda que lhe custe muito trabalho perder peso.

“Perdi cerca de oito quilos e creio que já começam a notar. De todo modo me faltam uns oito quilos para que fique normal. Estou tomando remédios para a tireoide, são coisas da idade e é normal que aconteça, então aguento”.

A saúde de seu marido, Gabriel Fernández, também se encontra estável.

“Há anos não passeamos em cruzeiro e para agradecer a Deus, que deixou meu velho outro ano mais, que eu estou bem e estamos trabalhando muito, vamos passar o Natal e o ano novo em um cruzeiro com toda a família”, concluiu.

Discuta esse assunto com outros fãs no tópico no Fórum Chaves!

Texto: El Universal, traduzido por Antonio Felipe

Carlos Villagrán, o Kiko, passará por Lima com sua turnê de despedida em julho

Kiko se despede de Lima. O ator Carlos Villagrán regressará a Lima para dizer adeus ao seu cativante personagem do “Chaves”, depois de ter se despedido de várias cidades do Peru, durante sua turnê em 2012.

O popular artista se apresentará com o “Golden Circus” e fará rir a grandes e pequenos em Lima Norte desde o dia 26 de julho, como parte da turnê de despedida que faz por diversos países.

Tal como fez no ano passado nas cidades peruanas de Arequipa, Piura e Trujillo, e em abril e maio último pelo Brasil e Santiago do Chile, Carlos Villagrán se despedirá em julho da cidade de Lima, sendo esta sua última apresentação no país. A turnê latinoamericana concluirá com um show especial em Cidade do México.

O Golden Circus de Kiko estará localizado desde o dia 26 de julho, entre as avenidas Panamericana Norte e Carlos Izaguirre, no distrito de Los Olivos.

Discuta este assunto com outros fãs no tópico no Fórum Chaves!

Texto: Terra Peru, traduzido por Antonio Felipe

Carlos Villagrán faz seu último show como Kiko no Rio de Janeiro; Saiba como foi

Foto: Diego Castanho

Carlos Villagrán, 69, se apresentou para uma plateia animada que encheu um circo, na Quinta da Boa Vista, no bairro de São Cristóvão,  zona norte do Rio de Janeiro no sábado (11) às 21h. Carlos dá vida ao personagem Kiko, que o consagrou no seriado “Chaves”, que está no ar há mais de trinta anos na televisão brasileira.

“Quero agradecer a todos vocês aqui hoje, esses shows me alimentam nesses trinta anos. Meus filhos agradecem. Obrigado”, disse o humorista aos fãs.

Apaixonada pelo seriado “Chaves”, a humorista Tatá Werneck era uma das fãs presentes na apresentação e fez questão de ficar na frente do picadeiro, para não perder nenhum momento de seu ídolo.

“Eu sou muito fã de ‘Chaves’. Não existe nada na vida que eu seja mais fã. Eu já fui em outro show em São Paulo”, disse ela ao engrossar o coro dos que cantavam todas as músicas do seriado e revelou ter conhecido os atores que fazem a personagem Chiquinha e o Sr. Barriga no seriado.

“Os atores são tão incríveis que a composição deles virou atemporal e eterna, você não vê o Carlos em outro personagem, vai ser o Kiko para o resto da vida”, completou Tatá.

Durante 1 hora e 20 minutos, o humorista mostrou entusiasmo e muita desenvoltura em seu último show da turnê brasileira. Depois de passar por São Paulo, Porto Alegre e Belo Horizonte, o ator mexicano Carlos Villagrán, avisou mais uma vez que sua apresentação na capital carioca seria a última de sua carreira.

“Agora quem fala com vocês é o Carlos Vilagrán. Há trinta anos estamos juntos, mas chega uma hora em que temos que parar. Despeço-me de vocês aqui no Rio. Este é o meu último show. Obrigado”, disse ele guardando o chapéu de seu personagem. Fez depois o sinal católico da cruz e apontou para cima com seu dedo indicador. Após a fala, seus fãs gritavam: “Kiko! Kiko! Kiko! Rá, rá, rá”.

O espetáculo de humor ainda contou com o humorista Thiago Comédia. Antes de Carlos Vilagrán entrar em cena como o personagem Kiko, a banda de rock “Netos de Nova Neves” animou os fãs que lotavam o local. Tocaram clássicos do seriado como: “Jovem Ainda”, “Que Bonita a Sua Roupa” e “Boa Noite Vizinhança”.

Dubladores da série marcam presença

Também estiveram na apresentação os dubladores dos personagens do seriado: Carlos Seidl (Sr. Madruga), Nelson Machado (Kiko) e Gustavo Berriel (Carteiro Jaiminho e o Nhonho da nova temporada -episódios inéditos- e desenhos da série).

Gustavo Berriel disse que interpretar personagens que fazem parte do imaginário de muita gente é formidável. “Dublo os desenhos do ‘Chaves’ desde 2007, fiz também os novos episódios que foram ao ar no SBT. E eles ainda têm material para ser dublado. Curto muito fazer esse trabalho, cresci assistindo ‘Chaves’, é uma diversão”, afirmou o dublador.

Em homenagem às mães, Calos Villágrán recitou uma das frases que consagrou seu personagem na voz de Nelson Machado: “Mamãe querida, meu coração por ti bate como um caroço de abacate”, encenou.

Famílias compareceram em peso

Era visível na plateia que o amor pelo seriado “Chaves”, no ar há mais de trinta anos no Brasil, passa de geração em geração. A professora Aline Iulianelli trouxe o marido e os dois filhos para assistir ao show de humor. “Sou fã do Kiko, ele é demais. Hoje meus filhos acompanham o desenho pela televisão. Esse amor ainda vai durar muito na nossa família”, disse ela.

Carlos da Silva trouxe o filho Vinícius para conhecer o personagem Kiko. “Compramos o combo para tirar uma foto com ele (Villagrán). Foram R$100, mas vale a pena, é um momento único”, descreveu o pai todo animado.

Discuta este assunto com outros fãs no tópico no Fórum Chaves!

Texto: UOL

Em entrevista, Carlos Villagrán fala sobre sua despedida do Kiko

Foto: Gabriel Freire/Terra

Na época da vila, Kiko e Chaves eram amigos, mas viviam brigando. Quando Carlos Villagrán saiu do seriado em 1978 e depois foi fazer um programa solo com seu personagem bochechudo, a vila e a amizade com Roberto Gomez Bolaños (autor e intérprete de Chaves) nunca mais foram as mesmas. Trinta e cinco anos depois, Villagrán está aposentando o terninho de marinheiro e, sem lavar a roupa suja, dá esperança aos fãs de uma reconciliação com Chespirito: “Eu aceitaria com muito prazer me encontrar ou falar com ele novamente”, diz Villa. Antes de seu último show no Brasil, pela primeira vez no Rio (neste sábado, às 20h, no Circo da Quinta da Boa Vista), o ator explicou, em entrevista ao GLOBO, por que está se despedindo de Kiko, por quem tanto brigou, até na grafia adaptada no nome com “k”, por problemas de direitos autorais com Bolaños.

O GLOBO: Por que aposentar o Kiko, deixando órfãos os fãs de “Chaves”? Do que você vai sentir mais falta nos palcos?
Carlos Villagrán: Estou com 69 anos. Por respeito aos fãs, vou parar de competir com o meu pior inimigo: o Kiko mais jovem que aparece todo dia na televisão. Não posso brigar com ele, pois ele não envelhece e não vai com a minha cara! Mas os fãs não vão ficar órfãos, a série vai continuar aí para quem quiser assistir. Vou sentir falta do público e das risadas, é muito lindo!

Como está a expectativa para o seu primeiro show no Rio? Já esteve na Cidade Maravilhosa antes?
Já estive no Rio, mas é a primeira vez que apresento meu show. Estou super feliz, pois vai ser uma despedida em um circo, e eu já me apresentei em muitos circos na minha vida. Não vejo a hora de poder agradecer aos amigos do Rio de Janeiro por tanto carinho! Por tantos anos fazendo feliz o meu coração! Afinal, é por causa dos fãs que eu como, e todos os que dependem de mim também.

Você vê alguma diferença entre os fãs brasileiros e os do resto do mundo?
No Brasil há muito mais fãs que nos outros países, e são muito mais empolgados e carinhosos. Amo os fãs brasileiros e tenho muitos amigos daqui pelo Instagram (@carlos_kiko1). Este país significa muito para mim, e meu amor pelo Brasil é tão grande que, quando eu morrer, eu quero que minhas cinzas sejam trazidas para cá.

Os fãs podem ter alguma esperança de você e Chespirito fazerem as pazes?
Eu aceitaria com muito prazer me encontrar ou falar com ele novamente. Não tenho nenhum problema com isso.

Como é a sua relação com os demais integrantes de “Chaves”? Guarda alguma mágoa deles?
Eu não me misturo com a gentalha (risos)! Não guardo mágoa de ninguém, simplesmente não há relação, nem para o bem nem para o mal. Às vezes nos encontramos em bastidores de programas de televisão pelo mundo. Recentemente, antes de vir ao Brasil, me encontrei com Maria Antonieta de las Nieves (a Chiquinha) em Los Angeles, e gravamos juntos uma esquete com o Kiko e a Chiquinha. Tivemos uma ótima conversa sobre os velhos tempos.

Sente saudade daquele grupo que viajou pelo mundo fazendo shows e encantou gerações?
Lembro com muito carinho de quando éramos como uma família unida. Viajávamos e passeávamos juntos. Foi um grupo tão bonito, que transmitíamos isso no programa.

Que falta faz Ramón Valdés na sua vida?
Don Ramón, o Seu Madruga, era o meu melhor amigo. Era uma pessoa divina, muito querida, humilde e agradável. Que descanse em paz. Éramos muito unidos, e os mais simples do grupo.

Como é a vila do Chaves após a saída de Kiko e Seu Madruga?
Depois que o Kiko saiu — aliás, foi tirado do programa — e da saída do Seu Madruga, a série perdeu a graça. Éramos o sal e a pimenta da série, que nunca mais teve o mesmo sucesso. Todos os personagens ficaram sem função. A Dona Florinda não tinha mais o filho e também não tinha mais em quem bater. A Chiquinha ficou órfã. O Senhor Barriga não tinha mais para quem cobrar o aluguel atrasado. E a Bruxa do 71 perdeu seu motivo de viver. Acabou o programa aí.

E o desenho animado, já assistiu? Aprova o Kiko animado?
Não vejo o desenho, porque tenta imitar a série clássica, mas não é a mesma coisa.

O que representou para você ser nomeado embaixador de Porto Alegre na Copa de 2014?
Foi uma honra muito grande, pois o futebol é minha grande paixão!

E como foi o encontro com o Neymar? Prefere ele ou o Messi? Pelé ou Maradona?
O encontro com o Neymar foi demais, a realização de um sonho! Fiquei muito emocionado, pois ele e o Messi se fantasiaram de Kiko recentemente. E o Pelé e o Maradona são dois grandes ícones mundiais. Eu sou amigo do Maradona, mas foi por causa da Copa de 70 que eu dei a um dos meus filhos o nome de Edson, em homenagem ao Pelé.

Qual seleção você acha a favorita na Copa das Confederações? Acha que Brasil e México têm chances?
Meu coração fica dividido, mas acho que o Brasil é que tem que ganhar. Afinal, aqui é o país do futebol!

Por que você não fica para a Copa das Confederações, já que o México vai jogar contra a Itália no Maracanã?
Eu quero muito assistir aos jogos! Você me dá as entradas? Ou me ajuda a entrar pelos fundos? Me empresta sua televisão?

Discuta este assunto com outros fãs no tópico no Fórum Chaves!

Entrevista e texto: Jornal O Globo