Fórum Portal Vídeos Guia de Episódios

Category Archives: Fórum Chaves

100 anos de Raúl “Chato” Padilla, o carteiro Jaiminho

Ele foi o último ator a ingressar no elenco das séries Chaves e Chapolin, em 1979. Mesmo assim, sua marcante participação e, depois, presença regular no Programa Chespirito, garantiram seu lugar no coração e no imaginário do público latino.

Há exatamente 100 anos nascia um dos grandes atores mexicanos: Raúl Padilla Mendoza. Ou, como foi conhecido artisticamente, Raúl “Chato” Padilla. O mais velho do grupo de Chespirito e que, agora, torna-se o primeiro a completar seu centenário.

Para celebrar essa data, o Fórum Chaves apresenta este especial com um pouco da história do nosso eterno carteiro Jaiminho. Acompanhe!


Raúl Padilla Mendoza nasceu em 17 de junho de 1918, na cidade de Nuevo León, estado de Monterrey, no México. Desde muito cedo, seu destino já estava ligado às artes. Foi educado artisticamente para ser integrado à companhia teatral criada por seu pai, Juan B. Padilla. Dessa forma, ele começou a trabalhar no teatro em 3 de setembro de 1923, quando tinha apenas cinco anos – e um dia depois do nascimento de Ramón Valdés, o Seu Madruga.

Padilla, no entanto, queixou-se de não ter exatamente uma vida normal, por estar desde tão pequeno imerso no teatro.

A vida de todos foi normal, a minha não. Todos tiveram seu lugar, se desenvolveram, foram educados. Eu não. Minha vida foi muito chata. Comecei no teatro em 1923. Desde então não foi mais do que teatro, teatro e teatro“, disse.

Sua primeira peça foi uma apresentação infantil chamada “Aurora”. Além de Raúl, seus irmãos Juan, Lupe, Ricardo e José Luís também foram para o teatro. Ao lado da irmã Lupita, estreou em 1926 no Teatro Principal em uma temporada de comédia. Nos anos 1920, fez várias peças com sua família, como “La Mujer X”, “La enemiga”, “La Madre”, entre outras.

Raúl “Chato” Padilla atuando em uma peça com Carlos Villagrán, em 1968.

Depois de uma longa carreira no teatro, onde chegou a contracenar com Carlos Villagrán (Quico), Raúl foi para as telas do cinema e da televisão. Ele atuou em novelas como “México 1900” e “El corrido de Lupe Reyes”. Em 1974, participou do filme “Calzonzin Inspector”, escolhido para representar o México como candidato ao Oscar. No ano seguinte, esteve em “El ministro y yo”, com Cantinflas.

Mas foi em 1979 que tudo mudou para Raúl “Chato” Padilla. Nesse ano, Roberto Gómez Bolaños enfrentava um dilema, após a saída de Carlos Villagrán e Ramón Valdés das séries Chaves e Chapolin.

A ausência de Ramón Valdés me fez pensar na necessidade de conseguir outro ator de mais idade, principalmente para os programas do Chaves. Mas eu não queria que substituísse o Seu Madruga. Queria que interpretasse outro personagem, cujas características defini: se chamaria Jaiminho, teria alguns anos mais que Seu Madruga e trablharia como carteiro“, disse Bolaños.

E o ator escolhido era ninguém menos que o “Chato” Padilla. “Ele era o ator apropriado para isso. Participou de todos os filmes que fiz. E sua integração ao elenco foi instantânea, devido a três fatores: seu talento como ator, sua enorme capacidade para caracterizar todo tipo de personagens e sua enorme qualidade de ser humano“, ressaltou Chespirito.

Jaiminho faz sua estreia no seriado Chaves, no episódio “Nasce uma Bisavó”

Assim, em 24 de setembro de 1979, Padilla faz sua estreia no seriado Chaves, como o carteiro Jaiminho. Um tipo que queria sempre “evitar a fadiga”. Carregava sua bicicleta para lá e para cá – pois não sabia andar nela. E enquanto descansava, lembrava de sua cidade natal: Tangamandápio, localizada no estado de Michoacán.

No episódio “Vinte mil beijinhos para não morar com a sogra”, do Chapolin

No Chapolin, Raúl apareceu um pouco antes, em 2 de maio, no episódio “O futebol é minha melhor medicina/Vinte mil beijinhos para não morar com a sogra”. Ao todo, Raúl participou de somente dez episódios de Chapolin e Chaves:

Chapolin
1. O futebol é minha melhor medicina/Vinte mil beijinhos para não morar com a sogra
2. A troca de cérebros

Chaves
1. Nasce uma bisavó
2. Eu sou a mosca que caiu na sua sopa
3. Caça ao rato – parte 2
4. Reivindicação salarial para o Chaves
5. Os hóspedes do Senhor Barriga – parte 2
6. Os hóspedes do Senhor Barriga – parte 3
7. Os hóspedes do Senhor Barriga – parte 4
8. Antes um tanque funcionando que uma lavadora encrencada

Depois do episódio da lavadora, Raúl participa de alguns esquetes em 1980 e deixa o Programa Chespirito. De acordo com Bolaños, ele não estava plenamente convencido de ter um personagem fixo na série. Algo que só mudou depois que o elenco participou, em 1981, da Caminhada da Solidariedade, na Colômbia. Mais de um milhão de pessoas acompanharam a visita do elenco à cidade de Bogotá, algo que mexeu bastante com o ator. Com isso, ele retornou ao programa.

Elenco do Chaves, incluindo Raúl, na Caminhada da Solidariedade, em 1981, na Colômbia.

Com o esquete “A chegada do Sr. Garabito”, Raúl se integrava definitivamente ao Programa Chespirito, no qual participaria por mais 11 anos. Nesse tempo, o Jaiminho mudou-se para a vila e começou a ocupar espaços que antes eram do Seu Madruga. O personagem, por exemplo, fez as vezes de sapateiro e vendedor de balões. Passou a ser o interesse romântico da Dona Clotilde. E teve uma atenção especial com o Chaves.

No programa, ele ganhou outro personagem fixo: o delegado Morales, do quadro Los Caquitos. “Era o agente do Ministério Público, que se distinguia por sua honestidade e, sobretudo, pela caridade que mostrava no exercício de suas funções, além da infinita paciência com que suportava todo mundo“, definiu Bolaños.

Interpretando o Delegado Morales, no quadro “Los Caquitos”, do Programa Chespirito

Além do Programa Chespirito, Padilla também fez outros trabalhos com Chespirito. No cinema, participou dos filmes “El Chanfle”, “El Chanfle 2”, “Don Ratón y Don Ratero” e “Charrito”. No teatro, esteve em “Títere”, obra baseada no conto do Pinóquio, interpretando Gepeto. Durante a década de 1980, também participou das turnês do elenco. Esteve ainda em uma turnê à parte com o Sr. Barriga, Professor Girafales e Dona Clotilde.

Jaiminho, Prof. Girafales, Sr. Barriga e Dona Clotilde na turnê que fizeram sem o restante do elenco.

Em 1985, Raúl sofreu um grande abalo: no grande terremoto de 19 de setembro, que arrasou a Cidade do México, o edifício onde morava com a família foi parcialmente destruído. Ele estava na estrada, voltando da cidade de San Luís Potosí quando soube da notícia. Felizmente, ninguém se feriu.

Bolaños, então, decidiu fazer um gesto de solidariedade para o companheiro de elenco: organizou uma turnê do Chaves, cuja renda seria destinada à família de Raúl, para que pudessem comprar uma nova casa. E assim aconteceu: com o dinheiro, eles foram viver em um lugar melhor e com tranquilidade.

Ainda na década de 1980, Raúl teve a oportunidade de conhecer a sua “terra natal”. Em 1983, a convite do comerciante Francisco Arroyo, visitou Tangamandápio. A presença do ator foi motivo de grande festa na comunidade, a ponto de causar congestionamento na estrada. Padilla foi recebido com foguetes, sinos e música.

Raúl “Chato” Padilla em visita a Tangamandapio

O Padilla ficou hospedado aqui na minha casa e até as 3 horas tinha gente do lado de fora tentando vê-lo pela janela. Ele chorou de emoção. Na manhã do dia seguinte, as pessoas trouxeram frutas, roupas tradicionais e pequenos presentes para demonstrar agradecimento. Todos queriam convidá-lo para tomar o café da manhã em suas casas. Em seguida, com ele fantasiado de Jaiminho, fomos aos Correios. Ofereceram uma bicicleta, mas ele recusou: ‘quero evitar a fadiga’“, disse Arroyo.

Raúl sofria com diabetes desde os anos 1970. E a evolução dos problemas de saúde causados pela doença acabaram por vitimar o ator, em 3 de fevereiro de 1994. Dias antes, Padilla foi ao médico, reclamando de dores na garganta e ouvido, que lhe fizeram perder o equilíbrio. Depois de fazer um eletrocardiograma, verificou-se que sua condição não era boa. Ele então foi hospitalizado por alguns dias. Quando estava para receber alta, acabou sofrendo um infarto. Aos 73 anos, o eterno Jaiminho evitava a fadiga para sempre.

Seu corpo foi velado em uma funerária da Cidade do México e, depois, cremado no Panteón de Dolores, como foi seu desejo. Deixou sua mulher, Lili Inclán, de um casamento de 54 anos, além de dois filhos: a escritora e diretora de TV Aurelia “Maye” Padilla”, e o filho e também ator Raúl “Chóforo” Padilla.

Raúl “Chato” Padilla, sua esposa Lili Inclán e seu filho, Raúl “Chóforo” Padilla.

Ele era alegre, romântico, adorava minha mãe, queriam ir à Espanha para celebrar suas bodas. Estava tudo preparado para acontecer, mas teve que sair em turnê antes”, disse Chóforo. “Sempre foi um refúgio de amor, de força e energia. Nos apoiou em tudo e nos deu a liberdade de escolher o que queríamos ser. Foi um homem exemplar para mim e meus irmãos, muito profissional, trato de seguir seu exemplo e de transmiti-lo aos que virão“, afirmou à época.

Chóforo, curiosamente, estreou antes do pai nos seriados de Chespirito, participando do esquete “Arruaceiros”, do Chapolin, em 1972. Já na segunda fase do Programa Chespirito, ele fez algumas participações em episódios. O ator também já é falecido, desde 2013.

Raúl “Chóforo” Padilla, filho do “Chato”.

Ele era muito engraçado. Sua mulher era encantadora. Eu tenho muito boas lembranças dele. Quando ele morreu, todos nós sentimos muito“, disse Edgar Vivar, o Senhor Barriga, sobre o eterno Jaiminho.

Meu filho Roberto [Gómez Fernández] me deu a notícia por telefone. Foi uma perda irreparável, não só para nosso programa, mas para toda a arte dramática do México“, contou Chespirito.

Em sua autobiografia, Bolaños lembra de Padilla como uma pessoa de enorme caráter e talento. “Não era possível lembrar uma só ocasião em que Chato se atrasou no teatro, cinema, televisão, o que fosse. Estava sempre com todo o roteiro na memória. Nunca atrapalhava a atuação ou desempenho de seus companheiros. Uma vez, ele sofreu um acidente considerável antes de uma apresentação de Títere. Só após o fim do espetáculo soubemos do fato, apontado um técnico que trabalhava conosco. Além disso, sua perna sangrava muito, mas ele atuou assim mesmo“, contou.

Inauguração da estátua em homenagem ao Jaiminho

Cem anos depois de seu nascimento e 24 após seu falecimento, Raúl “Chato” Padilla segue sendo lembrado pelo público latino por seu inesquecível Jaiminho. O personagem, inclusive, ganhou uma homenagem especial da cidade de Tangamandápio, em 2012.

O município inaugurou uma estátua do Jaiminho, que está localizada em uma das ruas principais. A iniciativa foi uma maneira de agradecer pela projeção mundial que o personagem trouxe à cidade.

Uma justa homenagem a uma das figuras mais queridas da América Latina, responsável por milhares de sorrisos até hoje. Obrigado por tudo, Raúl “Chato” Padilla!

Texto por Antonio Felipe/Fórum Chaves

Comente sobre esse assunto no Fórum Chaves!

Confira a 9ª edição do podcast “Os Microfones Ocultos do Fórum Chaves”

Já está no ar a 9ª edição de Os Microfones Ocultos do Fórum Chaves, o podcast oficial do Fórum Chaves. Nesta nova edição, o podcast tem as presenças de Barbano, Fábio, Giovani Chambón e Victor235. A apresentação fica por conta de Antonio Felipe.

Como convidado especial, o vlogueiro Fábio Ribeiro, do canal Ahsefordeu, conta como foi sua viagem ao México junto com Maurício Trilha, onde entrevistaram a Paty, Seu Furtado e também conheceram Roberto Gómez Bolaños. Os debatedores falam ainda sobre a volta do Chapolin à programação do SBT e sobre os quatro anos do Fórum Chaves.

Confira o podcast:

Discuta o podcast com outros fãs no tópico no Fórum Chaves!

Chaves no SBT: Mudanças de horário são descaso com o telespectador?

Neste artigo trataremos sobre as constantes mudanças de horário que o seriado “Chaves” tem no SBT. Exibido diariamente há vinte oito anos, quando a emissora tinha apenas três anos de existência, o seriado “Chaves” já passou por quase todos os horários imagináveis.

A estréia de “Chaves” e de “Chapolin” na emissora de Silvio Santos foi em 1984, ao meio-dia, dentro do programa do Bozo. A exibição das duas obras de Chespirito se dava de maneira intercalada (“Chaves” às segundas, quartas e sextas-feiras e “Chapolin” às terças, quintas e sábados). Em 1987, houve um acréscimo de horário: além do seriado ser exibido no começo da tarde, era também no horário nobre: 20h da noite. Em março de 1990, um novo lote com episódios inéditos passou a ser exibido aos domingos, meio-dia. Nisso, o seriado já tinha várias exibições simultâneas: 12h30, 18h e 20h30. No início da década passada, o seriado começou a incomodar a Globo, visto que liderava várias vezes contra o programa de Ana Maria Braga, o “Mais Você”, fato que se repetiu muito em 2005, quando o “Chaves” chegava a cravar 18 pontos de média e liderava contra o tradicional “Globo Esporte”.

Vídeo em destaque: abertura do Chaves parodiando Friends

Nesta quarta-feira, o Fórum Chaves lançou mais uma paródia. Depois dos grandes sucessos Para Nossa Alegria e Gangnam Style, o site lança a abertura de Chaves ao estilo “Friends”.

“Friends” é uma reconhecida sitcom americana, que durou dez temporadas, encerrando-se em maio de 2004. Até hoje, o seriado é um dos mais populares da comédia dos EUA, sendo um dos preferidos dos fãs do gênero. Um de seus destaques é a marcante abertura, ao som de I’ll Be There For You, do grupo The Rembrandts.

O vídeo do Fórum Chaves é como se fosse uma abertura normal de Chaves, porém ao estilo da sitcom estadunidense. A edição da abertura ficou por conta de Giovani Chambón.

Confira o vídeo abaixo:

Discuta este assunto com outros fãs no tópico no Fórum Chaves!

Texto: Antonio Felipe

Portais destacam entrevista inédita de Ana Lilian de la Macorra, a Paty

Ego, da Globo, destacou entrevista publicada no canal do Fórum Chaves.

Nesta semana, vários sites de notícia brasileiros publicaram a entrevista inédita de Ana Lilian de la Macorra, a Paty, concedida para o programa Día D, a TuTeVe, do Peru. Em todos os sites, foi divulgado o vídeo da entrevista que o Fórum Chaves postou no Youtube.

Na segunda-feira, o site da revista Quem Acontece (da Editora Globo) publicou uma matéria resumindo a entrevista de Ana Lilian. Pouco depois, o Estrelando, do R7, publicou: “Atriz que vivia a Paty de Chaves reaparece, veja como ela está!”, com uma breve descrição e o vídeo logo em seguida. A nota ficou na página inicial do portal da Record por várias horas.

Ontem, o Yahoo! Brasil também divulgou o vídeo, destacando: “Depois de 34 anos sem aparecer nas telinhas, Ana Lilian de la Macorra, 55, que deu vida à personagem Paty no programa do “Chaves”, concedeu uma entrevista a um canal de TV peruano.

Já nesta quarta-feira, o conhecido site de notícias de celebridades Ego, da Globo, publicou texto falando sobre a entrevista, com várias reproduções do vídeo postado pelo Fórum Chaves.

Veja abaixo a entrevista de Ana Lilian de la Macorra ao Día D:

Texto: Antonio Felipe

Fãs podem avaliar os episódios de Chaves e Chapolin no Fórum Chaves

Desde o começo desta segunda-feira, os fãs podem avaliar episódios de Chaves e Chapolin a terceira edição do Sistema de Avaliação e Ranqueamento de Episódios CH, mais conhecido como SARECH.

O SARECH foi lançado originalmente em 2010 no Fórum Chaves pelo moderador Aolynthon. A cada semana, é divulgada uma lista com alguns episódios de Chaves e Chapolin. Durante uma semana, todos os usuários do Fórum podem avaliar os episódios e dar uma nota a cada um deles. Ao final de cada semana, é calculada a média das notas e então é aferida uma nota única para cada episódio, que comporá o ranking, o qual é montado ao longo das rodadas.

Entre 2011 e 2012, o SARECH teve uma nova edição, que contou com a participação de muitos usuários do Fórum. Com a chegada de novos membros na comunidade, bem como devido ao êxito dos rankings anteriores, foi decidido realizar uma nova edição em 2013, comandada pelo moderador global Chavo e pelo moderador Arkantos.

Para conferir a primeira rodada e avaliar os episódios, clique aqui.

Texto: Antonio Felipe

Chapolin Colorado: há um ano a série saía do ar no SBT

30 de dezembro de 2011. Às 13h16 do penúltimo dia desse ano, começava no SBT mais uma exibição do Chapolin Colorado: a sexta parte da saga O Show Deve Continuar, que até alguns anos atrás, era inédita no canal. Porém, esta exibição reservava mais um capítulo triste da história do Polegar na emissora de Sílvio Santos: era a última vez que o Chapolin Colorado era transmitido no SBT.

Desde então, a série não foi mais exibida na TV aberta, que ficou apenas com as várias transmissões de Chaves, em diversos horários. Não foi a primeira vez que Chapolin saiu do ar. Recentemente, a série deixou a grade em Maio de 2009, retornando em janeiro de 2011. Ao longo dos 28 anos desde que chegou ao Brasil, Chapolin saiu várias vezes do ar.

Mais uma vez, pedimos ao SBT: VOLTA CHAPOLIN!

Caras Online destaca homenagens de fãs brasileiros à Chiquinha

O site da Revista Caras publicou neste sábado uma nota destacando as homenagens dos fãs brasileiros a Maria Antonieta de las Nieves, a Chiquinha, que hoje está completando 62 anos.

A notícia da Caras Online relatou sobre publicações de páginas CH no Facebook, sobre o aniversário da atriz. Entre elas, a postagem do Fórum Chaves. A nota ainda acrescenta que Maria Antonieta agradeceu o carinho de seus fãs através do Twitter, tendo retuítado várias mensagens que lhe felicitam pela data de hoje.

Através de sua página no Facebook, Maria falou como se fosse a Chiquinha, dizendo: hoje é meu aniversário! Completo oito anos, pois é, pois é, pois é, pois é!

Discuta este assunto com outros fãs no tópico no Fórum Chaves!

Texto: Antonio Felipe

Confira entrevista inédita com Ana Lilian de la Macorra, a Paty do Chaves

Neste domingo, 16/12, o programa Día D, da ATV, do Peru, exibiu uma entrevista inédita com Ana Lilian de la Macorra, intérprete da Paty, na versão mais conhecida pelos fãs. Foi a primeira aparição de Ana Lilian na mídia, 32 anos após sua saída da série de Roberto Gómez Bolaños.

A reportagem mostrou como vive Ana Lilian atualmente. A ex-assistente de produção do Chaves hoje trabalha como psicóloga no México. É casada e tem dois filhos, de 30 e 32 anos. Na entrevista ela revelou ainda ter pedido para deixar o seriado, por entender não ser aquela a carreira que queria para si, embora a Televisa quisesse que Ana Lilian fosse atriz de novelas e cantora juvenil.

 

 

Confira a entrevista na íntegra:

Em 2011, o Día D também entrevistou Rubén Aguirre, o Professor Girafales. Veja aqui.

Discuta este assunto com outros fãs no tópico no Fórum Chaves!

Texto: Antonio Felipe

Coluna do Antonio Felipe: As caricaturas que me fazem chorar

Chaves, Chapolin e Chespirito são séries essencialmente humorísticas, marcadas por incontáveis diálogos, gags e bordões que estão até hoje na memória dos fãs de toda a América Latina, alguns já parte do cotidiano. Apesar disso, Roberto Gómez Bolaños nunca abdicou de acrescentar alguns momentos que provocam, ao invés de riso, uma vertente de lágrimas nos espectadores. São algumas sequências que, embora simples, possuem um belo potencial de emocionar, seja pela dor de uma cena ruim, seja pela reconciliação, reencontro ou despedida. Para esta nova coluna, seleciono aqui alguns dos momentos mais emocionantes de CH:

– Chaves é chamado de ladrão e vai embora da vila (O Ladrão da Vila, Chaves, 1976)

Até hoje um dos momentos mais lembrados pelos fãs pela capacidade de arrancar muitas lágrimas. Na vila, o ladrão Seu Furtado pratica alguns furtos (sic) e depois de um deles, esconde um ferro de passar no barril do Chaves. Quico acaba encontrando o ferro e então Chaves chega à vila. Todos lhe olham com antipatia, ojeriza e parte para a humilhação do menino: “LADRÃO! SEU LADRÃO!”. É uma das cenas mais fortes da série, que fica mais dolorosa quando, em um momento noturno, Chaves sai da vila carregando sua trouxa. Auxiliado por uma trilha triste, Enrique Segoviano foca Chaves tocando o barril pela “última” vez. Um momento marcante e bastante emocionante. Clique aqui para assistir a este episódio.

– O clipe “Boa Noite, Vizinhança” (Os Farofeiros, parte 2, Chaves, 1977)

A saga de Acapulco é a preferida de 7 em cada 10 fãs de Chaves. Depois de sequências antológicas de humor, Bolaños acrescenta esta linda canção ao final do último episódio da saga, que até hoje serve como mote para despedidas – quem foi aos shows do Seu Barriga no Brasil e não se emocionou com esta música no final, tem um coração duro. Hoje há uma lenda de que a música seria homenagem para Carlos Villagrán, que saiu da série em 1978, quando a saga foi reprisada. Como esclareci em minha última coluna, Acapulco foi filmado um ano antes da saída do intérprete do Quico. Clique aqui para ver o clipe.